IRENE NOHARA: Ascensão do nazismo na Alemanha e as lições de Weimar

A História está sempre na iminência de uma cíclica repetição. A ascensão do nazismo na Alemanha das esquerdas fragmentadas e as lições do centenário da Constituição  de Weimar.

Recentemente, em 2019, houve muitas reflexões sobre o centenário de Weimar, na área acadêmica, o desequilíbrio de uma crise que provocou ascensão do nazismo na Alemanha.

Crise, desequilíbrio, desemprego, miséria, desagregação: tudo faz emergir a força extremista.

Note-se que, em geral, enquanto a DIREITA aceita a desigualdade enquanto algo natural, é mais darwinista, a EXTREMA-DIREITA, por outro lado, a partir de um pressuposto de supremacia, toma as diferenças ENQUANTO FIM e age, portanto, para exterminar os diferentes, é uma visão de mundo profundamente excludente e voltada a combater os inimigos, que são os taxados ‘diferentes’ (povos, pessoas com orientações políticas diferentes e até etnias categorizadas pela ‘extrema direita’ vistas como inferiores).

Já as esquerdas, que podem ou não ser extremadas nos seus meios, não são, como FINS (em si), excludentes, são mais universalizantes e acham que a desigualdade foi um construto artificial/social, não algo ‘natural’, muito menos algo desejável (para a extrema esquerda a diferença é para ser combatida, para a extrema direita as diferenças são motivos de supremacia e mobilização contra os vistos como diferentes, por isso a aversão às políticas reequilibrantes ou distributivas das mesmas oportunidades sociais).

No entanto, com o acirramento da crise, houve, na decadente República de Weimar, cem anos atrás, o enfraquecimento das esquerdas, e PIOR, diante das fragilidades institucionais todas, Legislativo cooptado, alguns parlamentares ainda se identificaram com o Mein Kampf, Judiciário sufocado pelo Executivo (Hitler foi nomeado, em 33, Chanceler, alavancado pelas forças conservadoras, empresariais e pelo centrão…), os socialistas, AINDA, ficaram mais preocupados e focados em atacar sociais-democratas, ressaltando suas diferenças e intensificando essa fragmentação das esquerdas, do que de fato perceber ‘o perigo’ da irrupção e crescimento do nazismo. Hitler não era levado à sério no começo, foi colocado, como Chanceler, no poder com ressalvas e de uma forma a tentar neutralizá-lo, mas foi costurando, e em 34 virou o jogo – virou Führer.

RESULTADO HISTÓRICO: “deu ruim pra todos”, e os socialistas foram os primeiros a povoarem os campos de concentração.

IRENE NOHARA Ascensão do nazismo na Alemanha e as lições de Weimar

3 Comentários

  • A autor comete um erro: o Partido Comunista da Alemanha foi o primeiro a ser ilegalizado, e os comunistas, os primeiros a irem para os campos de concentração.

    0

    0

  • Olá Mário, sou a autora, estou aqui me referindo a ‘socialistas’ no sentido mais abrangente da palavra. O objetivo aqui é alertar para o quanto a fragmentação das esquerdas, no caos da crise da decadente República de Weimar, contribuiu para a irrupção do nazismo, enquanto expressão de EXTREMA DIREITA, principalmente da desunião entre socialistas (no sentido abrangente…) e sociais-democratas. Mas, se quiser ‘mencionar’ esse dado – do partido comunista, fique à vontade…

    1

    0

  • Primeiro, gostaria de pedir perdão à Profa. Dra. Irene Patrícia Nohara. Quanto ao texto, sabemos que as disputas no interior do Movimento Operário alemão, remontam às polêmicas de Marx com Lassale, avançam pela leitura , em alguns momentos – mecanicista – do legado marxiano por Kautsky, a revisão operada por Bernstein e a reação a esta revisão, por Rosa Luxemburg e Karl Liebknecht. A tensão chega ao seu ápice, quando o partido vota os créditos de guerra, e Rosa e Liebknecht votam contra. Eles fundam a Liga Spartaquista, embrião do futuro Partido Comunista da Alemanha. A Revolução Alemã, de 1918, é sufocada com a ajuda dos sociais democratas, e Rosa e Liebknecht são assassinados pelos freikorps. Na República de Weimar, o SPD adota uma postura centrista, enquanto no Partido Comunista, prevalece a posição sectária, definindo os social democratas como ” sociais fascistas”, posição referendada no VI Congresso do Internacional Comunista. eram , o SPD e o KPD, as maiores forças da esquerda,as que tinham caráter de massa.Com o incêndio do Reichstag e o banimento , para a ilegalidade do KPD, e prisão de seus membros, não houve protestos.Os desdobramentos, já sabemos todos.

    0

    0

Deixe uma resposta