Ancestralidade da deusa mulher – Geovana – Brilha sol

Por Fellipe Chueco – Geovana é dessas preciosidades do mundo do samba que todos conhecem, mas poucos reconhecem.

Não tem quem nunca tenha ouvido algum samba que ela compôs. Experimente gritar por aí: “Ô Irene” – Alguém sempre responderá, de forma espontânea, como um instinto natural, outro: “Ô Irene!”. Geovana foi gravada por nomes como Jair Rodrigues, Wilson Simonal, Martinho da Vila, Clara Nunes, e também pelo grupo Fundo de Quintal.

Geovana é exatamente isso, como nossa ancestralidade, está dentro de nós! Suas músicas, sua voz, a identidade e a força do povo preto, com a luz das mulheres pretas que movem o mundo.

Quando conheci Geovana pessoalmente foi como ter ao alcance dos olhos a história do nosso povo e sentir a energia de um ser iluminado. Geovana Brilha como um sol e tem na força de sua voz a sabedoria de todos os planos. Geovana tem uma risada deliciosa de ouvir, assim como sua voz potente como a sua própria luta e um abraço que recarrega a quem tem o privilégio de senti-lo.

A Deusa Negra do Samba Rock também é a Rainha do Partido Alto e dos Sambas de Terreiro. Deusa, rainha, mulher. Geovana enfrentou no seu percurso muitos altos e baixos, e os costumeiros ataques a pretos ou pretas que mostram seu talento sem abaixar a cabeça para ninguém: racismo e sabotagem não faltou, mas tudo isso nunca abalou a sua força e como dito, seu enorme talento. Sempre lutou e seguiu em frente. E nestes tempos sombrios que vivemos, onde o racismo se aflora e a ignorância está no poder central do país, Geovana é um alento, um carinho no coração e um abraço na alma poder ouvir e ver Geovana.

O Primeiro disco da artista, lançado no início da década de 70, é daqueles discos que a gente coloca de ponta a ponta sem enjoar. “Pisa nesse chão com força”, “Beijo sabor cerejeira”, “Amor dos outros”, “Maitá”, “Quem tem carinho me leva”, “Para de chorar a toa”, todos sambas deliciosos de ouvir, cantar, dançar.

E para mostrar que 2020 não é só vírus e isolamento, a nossa deusa brasileira mostra que trouxe a sua cura pra nos ajudar a sobreviver. “Brilha Sol” é o nome que batiza o novo disco lançado, e já adianto que assim como o seu primeiro trabalho, fica impossível pular alguma faixa.

Traz a sua identidade de partido-alto em músicas como “Cura”, “Ô Menina” e na “Antes que eu fique bêbado” em parceria com o saudoso Luiz Grande. Já na linda “Nessa rua todo dia passa” traz uma doçura dentro de uma melodia que nos envolve, junto com a talentosíssima cantora Anna que deixa essa obra ainda mais bela. Já na faixa “Negra da Costa do Marfim” junto com Curumin traz um samba da Bahia cheio de balanço, termos e referências que nos levam com imagem, cheiro e sabor direto para a Bahia. O disco ainda conta com as participações mais do que especiais de Fabiana Cozza, Clube do Balanço e Thaíde.

Não poderia deixar de citar aqui o Coletivo Sindicato do Samba, grupo que luta há muito tempo pela preservação e manutenção da história do samba, trazendo flores em vida para os grandes sambistas, músicos, pesquisadores e compositores do gênero. Camilo Arabe e Guilherme Lacerda são os produtores desse novo trabalho de Geovana, parceiros e grandes responsáveis por essa obra. Aproveito para agradecer a todos os envolvidos pelo trabalho, em nome de todos que amam a música brasileira, pela oportunidade de ter a nossa Deusa Negra nos encantando mais uma vez.

Você pode ouvir Brilha Sol em todas as plataformas Digitais. Dá um “google” e prepara o coração.

Obrigado, Geovana!

Por: Fellipe Chueco.

Por Fellipe Chueco - Geovana é dessas preciosidades do mundo do samba que todos conhecem, mas poucos reconhecem.

Deixe uma resposta