RICARDO CAPPELLI: Minha amiga feminista em apuros

Tenho uma amiga que se tornou referência do feminismo no país. Ela é muito acima da média dos sapiens comuns como eu. Inteligência aguçada, extremamente culta, uma intelectual que justifica o uso da palavra.

Há algum tempo, o feminismo radical passou a monopolizar sua fala pública.

Lutas específicas devem ser respeitadas e valorizadas. Mas quando vira identitarismo, a coisa degringola.

Ela, feminista militante, referência, se viu agora obrigada a defender mulheres de outras mulheres que passaram a atacar mulheres que optaram, de forma consciente ou não – neste caso não importa se vítimas ou escolhas livres, a crítica vem do mesmo jeito -, pela maternidade. Ter filhos, para as mais radicais, seria algo “nocivo e horrível”. Oi?

O identitarismo é um buraco sem fundo. É anti-marxista por excelência. É um projeto ideológico que tenta substituir a identidade de classe por identidades biológicas, de raça, de gênero, opção sexual e etc.

E não para por aí. Milita pela divisão da sociedade, é a apoteose da fragmentação, para alegria dos grandes donos do capital.

É mulher feminista? Não basta! Tem que ser mulher, feminista e não ter filhos! Já nasce outro grupo. Daqui a pouco vem outro grupo batendo no anterior, mais fragmentado ainda.

E já nasce uma nova identidade para brigar com as outras. Se auto-intitulando mais oprimida e injustiçada que a anterior.

O identitarismo é um projeto ideológico para liquidar a consciência e unidade de classe, fraturando a sociedade em milhares de fragmentos numa guerra de todos contra todos, sem fim.

Não tem como projeto juntar pra frente, gerando solidariedade e unidade na luta pelo bem comum. Seu objetivo é dividir, transplantando para o presente uma disputa infinita entre os passados mais injustiçados.

Já ouviram falar na guerra de todos contra todos? Parece óbvio, mas não é. Tempos estranhos.

Por Ricardo Cappelli.

Deixe uma resposta