JONES MANOEL: Lênin e Rosa

Lênin dedicou sua vida a organizar a classe trabalhadora a partir da construção de um partido revolucionário. No seu clássico e INDISPENSÁVEL livro “Que Fazer?” ele comete um erro grave, inspirado em uma leitura mecânica de Karl Kautsky, afirmando que a classe trabalhadora não poderia desenvolver uma consciência revolucionária, chegando no máximo a consciência corporativa, cabendo ao partido proletário, a vanguarda da classe, desenvolver essa consciência. A Revolução de 1905, o famoso ensaio geral, muda essa visão de Lênin e ele percebe com mais mediações a forma da criatividade das massas na história. Mantém a centralidade da sua teoria da vanguarda e do partido, mas concede espaço maior para a “espontaneidade” na sua teoria.

Rosa Luxemburgo era uma mulher de partido, mas nunca buscou disputar os mecanismos de direção político-prático-institucional do partido. Gostava mesmo era das escolas de formação, assembleias de massa, escrever para o jornal etc. Acreditava na força incrível da criatividade das massas e achava que em momentos de acirramento da luta de classes, os explorados e oprimidos iriam passar por cima de estruturas partidárias ossificadas. A Primeira Guerra Mundial mostrou que ela não estava muito certa.

István Mészáros no seu clássico O poder da ideologia foi certeiro ao dizer que Lênin e Rosa Luxemburgo convergiram em sua teoria. Rosa entendeu a importância da vanguarda como um destacamento avançado da classe e da disputa interna do partido. Lênin da criatividade das massas e do elemento espontâneo.

JONES MANOEL Lênin e Rosa

Rosa e Lênin morreram compreendendo que organizar a classe, preparar a revolução, fazer política, não é uma arte abstrata descolada da… organização política. Quem não está disposto a construir uma organização política dificilmente tocará no cheiro de uma revolução. Construir uma organização é um negócio chato, difícil, cheio de altos e baixos (é o tipo de processo histórico onde, por exemplo, você pode ficar em minoria mesmo tendo certeza que está certo). Organização é uma obra humana e de humanos socializados no capitalismo. Ser um livre-pensante é e sempre será mais fácil, confortável e atrativo. E quando se nasce ou assimila a socialização pequeno-burguesa, a sedução desse caminho é ainda maior.

Mas por esse caminho, no final, como sempre, teremos um grande vazio. Lênin e Rosa estavam certos. E o rapper também: “Peixe que nada sozinho, morre. Mas o cardume sobrevive”

Deixe uma resposta