JONES MANOEL: Sobre tática, estratégia e princípios

Lenin é autor da famosa frase “máxima flexibilidade na tática, máxima rigidez nós princípios”. Essa frase já foi usada para justificar todo tipo de oportunismo, mas isso não significa que ela está errada. Lenin formulou essa reflexão como síntese histórica do percurso dos bolcheviques até o poder político.

Lenin sempre foi conhecido no movimento operário europeu como um doutrinário ou dogmático. O líder bolchevique, porém, nunca caiu no principismo. O que é isso? A afirmação abstrata de princípios em toda conjuntura recusando mediações táticas e compromissos como se eles fossem símbolo de degeneração.

Ao mesmo tempo, sempre foi um crítico do que chamou de “frase revolucionária”. O que é isso? Achar que o critério da ação revolucionária é afirmar a todo momento o programa máximo e a pureza proletária.

Para Lenin o partido proletário deve saber fazer compromissos, recuos, alianças, mas sem perder a independência de classe e a característica de partido proletário. As táticas em si também não são revolucionárias. Lenin foi o cara que já defendeu boicote eleitoral, participação eleitoral como importante, luta armada, criticou o uso da violência etc.

Também foi um duro crítico do oportunismo. Só que o oportunismo para Lenin não era expressão em si de coisas como, por exemplo, usar a legalidade ou participar de frentes. Um exemplo concreto. Em 1917, durante a Revolução, defender aliança com o Governo Provisório era um oportunismo bizarro. Antes disso, porém, fazer aliança com os liberais contra a autocracia czarista não era em si oportunismo.

Tudo depende de três critérios interligados: motivo, forma e razão.

Em caso de definir uma política de alianças, por exemplo. Depende do motivo da aliança dentro da estratégia, a forma de fazer a aliança, e a razão de buscar essa tática e não outra mais eficaz.

Tudo isso dentro de um debate estratégico.

Parece mais fácil se prender a concepções estáticas, seja oportunistas ou de frase revolucionária, do que fazer o esforço de buscar sempre a justa medida entre a flexibilidade tática e a fidelidade estratégica.

Mas só nessa justa medida é que conseguimos uma ação política revolucionária coerente e consequente.

E a formação política de qualidade, rigorosa, é indispensável para conseguir formular essa política.

1 Comentário

Deixe uma resposta