Trump não serve mais ao Imperialismo

O Twitter baniu permanentemente a conta do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, após a invasão do Capitólio por manifestantes de extrema-direita que questionavam o resultado das eleições. A conta de Trump no twitter tinha quase 90 milhões de seguidores e por lá ele soltava em primeira mão várias de suas medidas como chefe de estado. Por lá Trump também incitava sua militância e promovia narrativas que lhe favoreciam eleitoralmente. Mas não foi só o Twitter que fez isso, o Facebook e o Instagram também bloquearam as atualizações da página de Trump.

Já ficou claro, os grandes monopólios privados de tecnologia declararam guerra contra Trump. Mas não somente eles, a mídia tradicional também. Desde 2016, parte das mídias do mainstream já não simpatizavam com Trump, o maior exemplo são as várias reportagens sobre Trump do The New York Times. Porém, os Republicanos também tem suas máquinas midiáticas e essas davam suporte a Trump, como as filiadas ao conglomerado da News Corporation do magnata ​Rupert Murdoch, de exemplo a Fox News e o New York Post​. No entanto, desde o último ano do governo de Trump até essas mídias próximas tem se afastado dele, indicando um certo isolamento de Trump.

Sabendo desses fatos, algumas dúvidas devem pairar no ar de tão leves que são sem respostas adequadas. Ora, por que o conglomerado midiático tem se afastado totalmente de Trump? Por que as Bigtechs declararam uma guerra a ele? A alegação de que é porque Trump ataca a democracia, sinceramente, chega a ser leviana, afinal de contas, o mesmo twitter mantém as contas ativas de Mohamed Bin Zayed e ​Rodrigo Duterte ​. Outros podem alegar que é porque essas empresas visam seu lucro capitalista e sabem que Biden é mais popular. É um bom argumento, Biden recebeu incríveis 81 milhões de votos, mas Trump teve 75 milhões. Essas dezenas de milhões de votos de Trump vão ficar órfãos de representatividade em redes e mídias? Nenhum grande monopólio de tecnologia vai querer abocanhar essa grande massa de eleitores? No mínimo estranho as “leis de mercado” não atuarem nesse caso, lembra até um jogo de cartas marcadas.

Avaliando o cenário pelo qual a mídia não deu tanto foco em que esses movimentos aconteceram e conhecendo minimamente os objetivos históricos do Estado Profundo, ou daquilo “que se formou acima do estado”, nas palavras de Eisenhower, me parece que Trump se tornou um líder populista que consegue despertar nas massas uma vigorosa sensação de participação política inimaginável, tanto a favor dele como contra. Trump recebeu 75 milhões de votos e deu 81 milhões de votos a Biden, as duas votações mais expressivas da história dos Estados Unidos, Trump polariza a favor de si e contra si, ele consegue ser o centro do jogo. Trump, em verdade, me parece assustar quem manda de verdade, parece ser uma força que não pode ser presa por arreios e ser domesticada como Obama, Clinton e Bush. Definitivamente Trump é aquele que não estava nos planos.

Para quem não está ativamente participando do jogo, pode parecer bobagem, mas o custo da eleição de Biden pode ter sido, até em termos proporcionais, o mais alto da história, em termos de dinheiro e energia. Veja que os custos das campanhas em 2020 foram mais que o dobro das de 2016 (FIGURA 1) e esse aumento exponencial foi sobretudo impulsionado pela campanha de Biden (FIGURA 2 e 3). De todas essas doações, Trump teve mais doações que vieram de pequenos doadores e Biden de grandes doadores. Uma fonte de doação que podemos ver é Wall Street e de lá foram 18 milhões de dólares para Trump e incríveis 74 milhões de dólares para Biden. Para além de tudo isso cabe lembrar que Trump está fragilizado dentro do próprio Partido Republicano, onde o arauto da guerra do Iraque, George W. Bush, tem feito oposição sistemática a ele.

Trump não serve mais ao Imperialismo

Trump não serve mais ao Imperialismo

Trump não serve mais ao ImperialismoA intenção de te expor a esses dados é mostrar-lhe que o “Sistema” tinha um candidato muito claro e gastou muito para elegê-lo. Agora, também é justa a afirmativa de que Trump não é nenhum anti-sistema lutando contra o grande Império a favor dos oprimidos, muito pelo contrário. Porém, a administração Trump provou não ser das melhores gestoras do Império, haja visto que no Governo Trump os Estados Unidos não iniciaram guerra contra nenhum outro país. Obviamente houve tentativas canalhas e covardes de desestabilização, como na Bolívia, Venezuela e Irã. No entanto, as sanções à Venezuela vêm desde 2014, Trump fracassou em invadi-la e a Bolívia, ao que tudo indica, voltou a uma mínima normalidade democrática. Ou seja, Trump também não teve sucesso em manter os golpistas no poder. Sobre o Irã, o sanguinário John Bolton que saiu do governo Trump no meio do mandato deu indícios que o assassinato do Mártir General Soleimani foi uma tentativa de Trump de acalmar os ânimos dos algozes da guerra e Bolton revela que isso se deu justo no período de quando o impeachment era cada vez mais uma possibilidade real. Enfim, isso tudo indica que Trump foi um gestor Imperialista, que tentou praticar a desestabilização e a covardia golpista, mas que frente aos seus antecessores, como Obama que deu gargalhadas junto com Hillary Clinton quando soube do estupro de Gaddafi pelos soldados da OTAN, foi muito menos nocivo para a paz mundial.

Sobre a OTAN, não se deve esquecer que nunca ela foi tão atacada e seus membros tão hostilizados como foram por Trump, isso ficou muito claro quando ele ameaçou retirar as bases dos EUA da Alemanha e chamou Merkel de delinquente. Imagine-se contando essa narrativa para algum herói nacionalista anti-imperialista latino da década de 70, será que ele acreditaria? Por esses e outros motivos que Trump não podia continuar no poder.

Agora voltando ao tempo presente, deve-se analisar em qual contexto as BigTechs declararam guerra a Trump. Ele é o primeiro presidente a tentar impor um controle estatal sobre o monopólio privado de Tecnologia, que usufruem de total liberdade de ação para controlar oque vamos ver, sentir e gostar desde o Ato de Decência nas Comunicações de 1996. Inclusive Trump chegou a vetar todo o orçamento militar de 2021, aprovado já pelo congresso e pelo senado, porque espera que incluem no pacote uma lei que derrube a imunidade de plataformas de internet, que atualmente não respondem em nada pela tutela social, muitas vezes danosas a crítica, que fazem sobre todos os usuários. Depois que Trump foi banido do Twitter, ele anunciou que iria para outra rede social, o Parler. O que o Google Play fez? Removeu essa rede social da loja de aplicativos do Android. Até aquilo que vamos baixar em nossos celulares é agora decidido pelo monopólio de mídia.

Muitos podem concordar com essas medidas arbitrárias das BigTechs contra usuários porque eles estão “propagando discurso de ódio” e isso em parte tem sua relevância para consideração, mas esse também é um discurso que deve ser analisado com muita cautela por quem propaga essa narrativa, haja visto que não somente Trump, mas vários líderes de esquerda foram “negacionistas” com a Pandemia. Uma das primeiras vacinas veio dos Estados Unidos, possibilitada quase exclusivamente com suporte estatal. Neste momento Trump também está batendo o pé contra a câmara democrata para aumentar o valor do “auxílio emergencial” dos EUA para 2 mil dólares, ante ao aprovado pela tão “progressista” câmara democrata de 600 dólares. Trump também despertou preocupação no mainstream midiático quando anunciou que vai retirar metade das tropas que estão no Iraque, cerca de 2500, retirar 500 soldados do Afeganistão e retirar todos os soldados dos EUA da Somália, cerca de 700.

É nesse contexto que o “Estado Profundo” resolveu limpar Trump do mapa. Aqui não há nenhuma defesa de Trump, mas tenha certeza que ele está sendo “desconvidado” dojogo por suas qualidades e não suas monstruosidades. Basta o momento ser favorável novamente que vão fazer o mesmo com a esquerda. A ideia de equiparar o Nazismo ao Comunismo ou associar o Nacionalismo Latino ao Fascismo já é extremamente difundida e até aceita dentro da própria esquerda. Hoje foi o Trump, mas ontem foram as mídias iranianas e venezuelanas. Atualmente as mídias chinesas e russas já têm um selo no twitter de “mídias afiliadas a governos”, selos que não estão colados na BBC e na DW, por ironia do destino. Quando a esquerda aplaude uma decisão como essa, autoritária e demagógica, por parte do twitter, está na verdade aplaudindo a censura da crítica pelos magnatas do Império. A esquerda está apoiando o poder de tutela das ferramentas imperiais sobre as nossas vidas e isso um dia certamente virá contra nós. E se não vir? Certamente é porque estaremos indo pelo lugar errado. Se somos tolerados pelo Império é que a ele não representamos perigo.

Trump não serve mais ao Imperialismo

REFERÊNCIAS

1. https://www.correiodopovo.com.br/not%C3%ADcias/mundo/eleicoes-nos-eua/ve%C3
%ADculos-conservadores-de-rupert-murdoch-se-distanciam-de-trump-1.516317

2. https://www.cnbc.com/2020/10/28/2020-election-spending-to-hit-nearly-14-billion-a-re
cord.html

3. https://ballotpedia.org/Presidential_election_campaign_finance,_2020

4. https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/2021/01/08/twitter-tira-conta-de-tru
mp-do-ar.ghtml

5. https://www.foxbusiness.com/markets/wall-street-donations-trump-biden-clinton-pace

6. https://www.poder360.com.br/midia/google-remove-rede-social-de-direita-de-loja-deaplicativos-do-android/

7. https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/12/trump-veta-orcamento-militar-por-naoincluir-retaliacao-as-big-techs.shtml

8. https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/mundo/trump-planeja-retirar-parte-das-t
ropas-americanas-no-iraque-e-no-afeganistao-em-breve-1.3012244

2 Comentários

Deixe uma resposta