A única certeza sobre a pandemia: pouco sabemos sobre ela

A frase “só sei que nada sei” atribuída ao filósofo Sócrates (segundo Platão) cairia como uma luva após exaustivas leituras de entrevistas, artigos e ensaios científicos sobre o novo coronavírus. Quanto mais buscamos informações sobre a pandemia, mais temos a certeza de que muito pouco, ou nada, sabemos.

É incontestável que muitos cientistas estão empenhados, como nunca, até porque é praticamente inédito o volume de investimentos e a pressa para que sejam encontradas soluções que possam dar um fim a esta pandemia. Vidas humanas e destruição das economias – nos modelos que as conhecemos – justificam este desejo, principalmente entre os neoliberais.

Esta entrevista com o médico de família e epidemiologista, Adelson Guaraci Jantsch, é muito importante para percebermos que vacina, medicamentos e outras expectativas em torno da Covid-19 ainda carecem de muita pesquisa e tempo para que possamos atingir as melhores respostas.

Considero importante destacar que quando foi iniciada a euforia de uma publicação sobre o uso da cloroquina no tratamento da Covid-19, recorri a este mesmo pesquisador, Dr. Adelson Jantsch, para saber se realmente devíamos confiar naquele medicamento. A resposta foi uma aula sobre as falhas da publicação e metodologia daquele estudo e, graças a isso, pude travar longos debates sobre os riscos da cloroquina.

Lembro também que de Trump e Bolsonaro, passando por “tudólogos”, se opor ao uso da cloroquina era como pedir para ser massacrado nas redes sociais. Por isso, reduza as expectativas em torno da cura da Covid-19, respire fundo enquanto pode e assista a este vídeo.

Deixe uma resposta