UALLACE MOREIRA: A China vai superar os EUA no domínio tecnológico mundial?

Por Uallace Moreira – As características da tecnologia de semicondutores podem favorecer a China e o país tem implementado políticas de catch up tecnológico para superar os EUA.

Yukio Sakamoto, um veterano da indústria de chips japoneses de 73 anos, assumiu o cargo de vice-presidente sênior da Tsinghua Unigroup, um importante conglomerado chinês de alta tecnologia afiliado à renomada Universidade Tsinghua.

Sua função é supervisionar o lançamento de um negócio de fabricação de chips de memória DRAM. Para Sakamoto, “estamos vivendo em um mundo onde os países retardatários têm uma chance melhor de alcançar os líderes existentes”.

Isso “porque a tecnologia de semicondutores está progredindo mais lentamente hoje, à medida que a pequenez dos transistores está se aproximando dos limites em termos de física e óptica”.

Sakamoto fala sobre as perspectivas de longo prazo para a China desenvolver suas próprias habilidades de fabricação de pastilhas de silício e capacidades tecnológicas para fornecer internamente materiais de fabricação de chips, equipamentos e software.

Para Sakamoto, a história nos diz que uma mudança de paradigma de tecnologia pode criar oportunidades para jogadores emergentes, e Sakamoto está vendo isso acontecer no setor de semicondutores hoje.

Um dos grandes desafios no setor é o contínuo processo de redução do tamanho dos transistores e circuitos construídos na superfície de uma matriz de wafer de silício. Mas a miniaturização atingiu uma barreira há cerca de 15 anos.

Por causa do aumento da dificuldade e do custo crescente da miniaturização, os fabricantes de chips estão se voltando para as chamadas tecnologias tridimensionais, que usam o espaço acima da superfície do wafer convencional para carregar mais transistores em um chip.

Para continuar a diminuir mais ainda, é necessário luz invisível do ultravioleta extremo ou faixa do espectro EUV. A tecnologia de litografia EUV é tão difícil e cara de desenvolver que todos, exceto uma empresa de máquinas de litografia, ASML da Holanda, a abandonaram.

Se for possível pular a litografia EUV, as opções disponíveis para equipamentos de fabricação de chips aumentam. Existem mais opções para o processo de litografia não EUV do que EUV. Nikon e Canon do Japão fabricam máquinas de litografia não EUV.

Algumas empresas chinesas, incluindo a própria Huawei Technology, têm trabalhado muito para desenvolver suas próprias máquinas de litografia. Existem relatos de sucesso na fabricação de protótipos de uma máquina de litografia na China.

Além disso, a Yangtze Memory, uma afiliada da Unigroup, anunciou em junho que teve sucesso no desenvolvimento de uma capacidade de fabricação para chips de memória flash 3D de 128 camadas e iniciará a produção comercial até o final do ano.

Toshiaki Ikoma, ex-presidente da subsidiária japonesa da Texas Instruments e ex-diretor de tecnologia da Canon, foi diretor de tecnologia da SMIC em meados dos anos 2000. Ele acredita que a China vai superar as barreiras tecnológicas.

Ele acredita que a China tem um número suficiente de cientistas e engenheiros capazes para desenvolver seus próprios equipamentos de fabricação de chips e software de design de chips.

Hideki Wakabayashi, professor da Universidade de Ciências de Tóquio, diz que “há uma possibilidade de a China se tornar um país dominante no campo em 10-20 anos por causa de sua abundância de talentos em todos os campos da ciência e da engenharia”, disse ele.

Alguns acontecimentos recentes apontam para a trajetória de construção da curva de aprendizagem, principalmente em sua estratégia de inovação para fabricação de Chips.

A China adquiriu máquinas japonesas de fabricação de chips para entrar em fábricas 3G. A Intang Intelligent Controls assumiu a Pioneer Micro Technology e planeja enviar suas 5 máquinas de litografia para a China.

A estratégia chinesa é absorver o conhecimento da fábrica e estrutura tecnológica japonesa, aplica engenharia reversa, avança para a inovação, construindo sua curva de aprendizado e logrando seu catch up tecnológico. é o verdadeiro learning-by-doing.

Por fim, recentemente, a China anunciou um Plano de US$ 1,4 trilhão para dominar a indústria mundial de semicondutores até 2025, em resposta às restrições dos EUA.

Por: Uallace Moreira.

Por Uallace Moreira - As características da tecnologia de semicondutores pode favorecer a China e o país tem implementado políticas de catch up tecnológico para superar os EUA.

1 Comentário

Deixe uma resposta