A “desborucratização de emergência” é uma cilada

Pelos próximos 18 meses a atividade de lobby será rentável como nunca.

Obra do decreto 10.139/19, que obriga a revisão e consolidação de milhares de normas federais num prazo absurdamente curto.

A regulação pormenorizada de centenas de atividades econômicas; tudo de que tratam as agências reguladoras. E muito, muito mais.

Este decreto supõe que consolidar e revisar normas é fazer um ajuntamento inofensivo das portarias, resoluções, circulares etc existentes.

Como se não fosse necessária consulta pública e análise de impacto para várias dessas normas.

Como se na revisão de texto não fosse possível mudar muita coisa importante na regulação do sistema financeiro, saúde, telecomunicações, fiscalização ambiental e outras áreas.

É um delírio. E um incentivo forte à captura.

Só os setores fortemente organizados e com interesse econômico proeminentes terão capacidade de acompanhar esse tsunami regulatório muito bem fabricado.

Isso vindo de um governo que invoca o discurso das boas práticas regulatórias. Coisa séria que acabou virando ladainha por incompetência (e talvez má-fé).

É um atentado democrático. E uma orquestração contra os interesses da sociedade civil, dos consumidores, do povo.

A consolidação normativa é uma medida prevista em lei e que pode ser bem concebida e aplicada.

Mas este decreto fez tudo errado. Sem técnica normativa, sem respeitar boas práticas regulatórias, sem atenção à participação social.

Parece desburocratização, mas é uma cilada regulatória.

***

A Constituição Federal teve seu texto final alterado, numa espécie de fraude, na etapa final de consolidação do texto.

História famosa, o Nelson Jobim, artífice da manobra, jactou-se dela umas vezes em entrevista.

Agora imaginem a consolidação de milhares de normas federais. Quem vai notar se a tal revisão/compilação não vai alterar o conteúdo das regras?

O tal “revisaço” de normas alardeado pelo governo federal é chance de ouro para quem quer aproveitar e fazer um pega-puxa-estica em uma dessas normas a serem compiladas e mudar alguma regra em benefício próprio.

O acompanhamento do processo pela sociedade é impossível. Só quem tiver poder econômico vai conseguir interagir com o governo.

Essa “desburocratização de emergência” é uma cilada regulatória de enormes proporções.

Se nem notaram que o texto final da Constituição estava diferente do votado nas comissões, muito pior com milhares de normas do Banco Central, agências reguladoras etc.

Deixe uma resposta