Desigualdade aumentou nos governos do PT apesar dos programas sociais

Segundo alguns dos mais bem reputados pesquisadores de desigualdade social, a Era PT nem chegou a fazer cócegas na estrutura infame de concentração de renda no Brasil.

Tenham atenção para os números abaixo, volto a comentar logo depois.

Participação na riqueza nacional1 2002 e 2015:

1% mais rico:

2002 – 26,2% do total

2015 – 28,3% do total

 

10% mais ricos:

2002 – 54,3% do total

2015 – 55,6% do total

 

Faixa entre os 10% mais ricos e os 50% mais pobres:

2002 – 33,1% do total

2015 – 30,5% do total

 

50% mais pobres:

2002 – 12,6% do total

2015 – 13,9 % do total

 

Fontes:

1) https://wid.world/news-article/new-paper-series-brazil/

2) https://www.ufjf.br/ladem/2019/05/30/brasil-tem-maior-concentracao-de-renda-do-mundo-entre-o-1-mais-rico/

Ou seja, toda a propaganda petralha sobre a ascensão dos pobres não passa de uma mentira. Esqueçam a papagaiada sobre ”valorização do salário mínimo”, ”pleno emprego”, ”Fies”, ”Bolsa-Família” etc. Ainda que se considere essas medidas benéficas em algum grau, elas não foram capazes de arranhar a dinâmica que nos torna um dos países mais desiguais da história conhecida.

Pior, a Era petista aumentou a concentração de renda do trabalho. Tanto a faixa da pirâmide dos 1% quanto a dos 10% mais aumentaram sua participação na riqueza nacional. Os 50% menos também ganharam, é verdade, mas em proporção menor do que os escalões mais ricos. Quem perdeu foram os 40% que se situam entre os 50% menos e os 10% mais.

Conclusão, o fosso social aumentou. No fim das contas, a participação conjunta dos 90% mais pobres decresceu de 45,7% para 44,4%. As dos 10% de maior renda aumentou de 54,3% para 55,6%.

Para chegar a esses resultados catastróficos, o petismo nos tornou dependentes da venda de produtos de baixa complexidade tecnológica, desindustrializou o país, consolidou a financeirização da economia, diminuiu direitos sociais, e rompeu a aliança entre as forças populares e as classes trabalhadoras.

O Petismo nada mais foi do que um governo liberal que se vendeu sob a capa de socialista, o instrumento perfeito da elite do dinheiro, dos entreguistas e do sistema financeiro internacional.

Fujam dessa Babilônia embriagada pelo próprio poder e cega para a própria corrupção, compatriotas.

Por André Luiz dos Reis

Notas de Rodapé

  1. A renda citada é principalmente a do trabalho, sem levar em conta a totalidade de aplicações financeiras [capital em sentido mais estrito] e propriedades, que certamente tornariam o panorama ainda pior.

4 Comentários

  • Vão mesmo dar espaço a um coitado que precisa se valer dos xingamentos criados pela degradante direita midiática? Que fanfarroneia “dados dos mais respeitados pesquisadores”, e usa duas referências xexelentas sem nenhum destaque?

    É isso que vão ficar publicando pra tentar inchar o antipetismo cirista?

    Que decadente… esperem pra ver os resultados pífios é irreversíveis que vão colher.

    6

    0

  • Um aluno de graduação em economia no mínimo faria um teste de correlação estatístico cruzando variáveis como concentração de renda e desigualdade. Mas você obviamente não sabe nada disso. Daí que você como jornalista é uma piada.

    6

    0

Deixe uma resposta