Greve dos Caminhoneiros chega ao 8º dia: Temer anuncia novo acordo

O último domingo (27) foi um dia marcado por novas tentativas de negociação entre o Governo Federal e representantes da categoria para encerrar a greve dos caminhoneiros, após o fracasso do acordo da última quinta (24).

Visando pôr um fim à greve, o presidente Michel Temer anunciou 5 (cinco) novos pontos de acordo, que já foram formalizados mediante a promulgação de Medidas Provisórias (MPs) e publicadas no fim da noite de domingo, em edição extra do Diário Oficial da União. Paralelamente a isso, o Congresso Nacional terá o prazo de até 120 (cento e vinte) dias para analisar tais MPs.

Entre as medidas anunciadas, está a redução de R$ 0,46 no preço do litro do diesel por 60 (sessenta) dias, em virtude da redução a zero das alíquotas do PIS/COFINS e CIDE sobre o diesel. Após esse prazo, os reajustes no valor do combustível serão feitos a cada 30 (trinta) dias.

Além disso, serão concedidos: i) a isenção de pagamento de pedágio para eixos suspensos de caminhões vazios em entradas federais, estaduais e municipais; ii) a determinação para que 30% (trinta por cento) dos fretes da Conab – Companhia Nacional de Abastecimento sejam feitos por caminhoneiros autônimos e iii) o estabelecimento de tabela mínima dos fretes. Ainda, as multas aplicadas durante as manifestações também foram canceladas, tanto para os caminhoneiros como para às entidades representantes da categoria.

A Abcam – Associação Brasileira dos Caminhoneiros, em nota, declarou que considera o acordo assinado com o Governo Federal como uma vitória, já que o acordo anterior previa uma redução no preço do diesel de apenas 10% (dez por cento) e por apenas 30 (trinta) dias.[1]

O ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo), por sua vez, afirmou que o Procon – Programa de Proteção e Defesa do Consumidor fiscalizará se a redução anunciada pelo presidente chegará às bombas e declarou que essa redução de R$ 0,46 no preço do diesel custará ao governo R$ 10 bilhões e que os recursos serão cobertos pelo Tesouro via crédito extraordinário.

O comandante do Exército Brasileiro, General Eduardo Villas Bôas, também prestou declarações neste domingo (27). Em sua conta no Twitter, informou que se reuniu na sala do alto comando do Exército, sob a coordenação do Ministro da Defesa, General Joaquim Silva e Luna, e com a presença dos comandantes das Forças e outros militares, “para uma videoconferência com os responsáveis por áreas de atuação na solução da “greve dos caminhoneiros””.

Ainda, escreveu o General: “Desejamos, o mais rápido possível, a solução desse desafio, a fim de mitigar as dificuldades crescentes da população. “Reafirmamos como diretriz operacional o foco no bem-estar social e na perene negociação para evitar conflitos entre os atores diretamente envolvidos”.[2]

Apesar de entender que a paralisação não possui uma liderança única, fator esse que dificulta a definição de previsão do fim da greve, Carlos Marun acredita que a expectativa é a de que as propostas anunciadas pelo Governo Federal surtam efeitos imediatos e que o movimento comece a ser desmobilizado nesta segunda (28).

Nessa linha, considerando ter tido o objetivo alcançado, a Abcam solicitou, hoje (28), que todos os caminhoneiros voltassem ao trabalho. O presidente da associação, José da Fonseca Lopes, deixou a seguinte mensagem: “Amigos caminhoneiros, voltem satisfeitos e orgulhosos para o trabalho. Conseguimos parar este país e sermos reconhecidos pela sociedade brasileira e pelo Governo deste país. Nossa manifestação foi única, como nunca ocorreu na história. Seremos lembrados como aqueles que não cederam diante das negativas do Governo e da pressão dos empresários do setor. Teremos o reconhecimento da nossa profissão, de que nosso trabalho é primordial para o desenvolvimento deste país. Voltem com a sensação de missão cumprida, mas lembrando que a luta não termina aqui”.[3]

[1] http://www.abcam.org.br/index.php/pt/noticias/530-abcam-assina-acordo-com-governo-para-por-fim-as-manifestacoes

[2] https://g1.globo.com/politica/noticia/pelo-twitter-comandante-do-exercito-afirma-que-ordem-e-negociar-para-evitar-conflitos-na-greve-dos-caminhoneiros.ghtml

[3] http://www.abcam.org.br/index.php/pt/noticias/530-abcam-assina-acordo-com-governo-para-por-fim-as-manifestacoes

5 Comentários

Deixe uma resposta