Caiu a máscara da desindustrialização brasileira

A chegada do Coronavírus ao Brasil desnudou a importância do setor industrial nacional. Mas com muito atraso essa consciência reapareceu. De repente, todos se deram conta do que significa termos perdido tanto tecido produtivo ao longo dos últimos 40 anos.

Agora que as máscaras N95 (que filtram até 95% das partículas em suspensão) e as máscaras 3PLY (máscaras cirúrgicas) são objeto de procura mundial, o Brasil todo se bate para encontrar algumas, mas a maioria das pessoas não tem sucesso na procura.

Caiu a máscara da desindustrialização brasileira coronavírus crise

Mesma carência já é sentida com relação ao principal equipamento médico-hospitalar para enfrentar a crise: o ventilador pulmonar. Agora todo mundo corre para fabricar soluções de ocasião, ou mobilizar o reparo de unidades que já não funcionam bem. Mas, com a demanda simultânea de 400.000 ventiladores pulmonares no pico da Coronacrise, é muito possível que o Brasil vá enfrentar carência deste produto vital.

Não surpreende: Donald Trump mandou nada menos que 23 aviões à China (que tem uma enorme base industrial para satisfazer todas essas demandas, mas ainda assim incapaz de atender todos ao mesmo tempo). Os aviões dos EUA vão secar a fonte e atrasar o abastecimento. Enquanto isso, começam a surgir notícias de espionagem e desvio de carregamentos no comércio internacional. A demanda pelos equipamentos vitais é brutal, e o jogo do comércio já abriu mão de qualquer etiqueta moderna.

Diante desse quadro, realizei uma pequena investigação jornalística a respeito das capacidades produtivas de ventiladores pulmonares e máscaras N95 e 3PLY para o canal Revolução Industrial Brasileira. O produto final deste trabalho pode ser visto no vídeo abaixo.

Não se trata de uma análise que esgote o tema, claro, e pretendo voltar a ela mais vezes no futuro breve. Para iniciar esse trabalho, consultei um grande especialista com PHD em Engenharia Biomédica, que hoje reside fora do Brasil e que construiu sua carreira na área de equipamentos médico-hospitalares. Ele me pediu para falar sob condição de sigilo da fonte (off) porque considera que o assunto está muito politizado e não quer se expor.

A síntese da questão, no entanto, está lá: as capacidades produtivas do Brasil no que tange máscaras e ventiladores pulmonares ainda existem, mas estão aleijadas. Nossa dependência de insumos importados é grande a ponto de comprometer o esforço de guerra que agora se pretende fazer.

Pretendo continuar a investigar a realidade do Complexo Industrial da Saúde do Brasil, sempre dentro do canal Revolução Industrial Brasileira, cuja missão é a de promover o tema da indústria de maneira a mais ampla e inteligente possível, visando um projeto de reindustrialização. Agora, mais do que antes, o tema se tornou fundamental.

Caiu a máscara da desindustrialização brasileira 1

6 Comentários

  • Ciro Gomes tinha propostas concreta para reindustrialização… incluindo o complexo da saúde, energia, defesa e do agro negócio… uma pena que o povo Brasileiro não aprendeu a votar por projetos e não por amor e ódio…

    9

    0

  • Ciro Gomes de fato tem um projeto para o setor industrial brasileiro e precisa ser ouvido. O país precisa deixar as paixões de lado e eleger alguém que tem projeto.

    4

    0

  • O problema do Ciro é se achar um Deus, fora que é um cara oportunista, se associou a gente que não presta…. e se fosse tão bom quanto acha, o Ceará seria um estado muito melhor, afinal ele é familia domina o estado há decadas

    0

    4

  • Parabéns Fausto Oliveira! Estudo desindustrialização e estava pensando em escrever um texto sobre esse problema que a COVID-19 está explicitando.

    2

    0

  • Muito bom e didático, são nós momentos de crise que as verdades aparecem, Parabéns!

    1

    0

Deixe uma resposta