PAULO GALA: O mundo no combate ao Coronavirus, lições para o Brasil

Produzir importa! Brasil irá facilitar a importação de produtos médicos para tratar o Coronavírus. O problema vai ser encontrar fornecedores. No mundo, dezenas de países já baniram as exportações destes produtos devido à escassez mundial. Nos EUA, Trump segue sendo pressionado para que o governo federal lidere a reconversão por meio do Defense Production Act @nytimes mostra que, sem a coordenação e os estímulos federais, empresas não estão alcançando escala nem qualidade. A lei foi REAUTORIZADA mais de 50 vezes pelo Congresso, tendo permanecido em vigor quase todo o tempo Trump já invocou a lei antes. A última para expandir a produção de imãs de terras raras tendo em vista a ameaça chinesa de restringir exportações. A Lei é inspirada nos War Power Acts de 1941/42 Previa, além do racionamento de bens de consumo, a resolução forçada de disputas trabalhistas e até o estabelecimento de teto para preços e salários! Estes últimos ainda podem ser utilizados, desde que autorizados pelo Congresso. Trump anunciou que invocará o Defense Production Act para combater o COVID-19 A lei concede a ele ampla autoridade para direcionar empresas privadas a atender às necessidades de defesa nacional Em essência, uma economia planificada Já foi invocada mais de 50 vezes desde 1950. A intenção é garantir a oferta dos produtos essenciais à saúde dos seus cidadãos. E a preços estáveis Os EUA produzem apenas 1% das máscaras cirúrgicas de que necessitam Querem banir as exportações de produtos médicos e obrigar as empresas a produzi-los internamente.

Produzir respiradores é difícil Exige centenas de partes, maior parte delas produzida no exterior Indústrias intensivas em impressoras 3D como automobilística e aeroespacial têm mais chances Mas precisam da expertise de produtores de respiradores. Assim, a pré-existencia de uma base industrial forte é crucial. Uma vez solucionados os gargalos, o próximo passo seria produzir + impressoras 3D São feitas de milhares de partes complexas e levam muito tempo para serem produzidas Décadas de sucateamento da indústria não ajudam. Sobre ventiladores mecânicos: Itália solicitou que o único produtor nacional quadruplicasse a produção. Mandou 25 técnicos treinados pelas Forças Armadas para ajudar Alemanha requereu mais 10 mil de um produtor nacional China doará 40 para a Itália. Após perceber que os países limitarão suas exportações, Governo britânico contatou 60 empresas para fabricarem 20 mil ventiladores. Mandou doc de 2 págs. com o processo produtivo, vídeo no youtube e paper acadêmico. Empresas não se sentiram capazes. Desindustrialização custa caro. Impressiona a obsessão chinesa com a autonomia tecnológica em Wuhan, enquanto a cidade estava parada, uma produtora de semicondutores tinha vagões especiais em trens para transportar, com aprovação do governo, especialistas e trabalhadores para sua planta. No Brasil, a iniciativa da @thabataganga é espetacular! É uma engenharia reversa “moderna” para fabricar peças para respiradores utilizando impressoras 3D. Mas os limites apontados acima se aplicam. Estado precisa entrar em campo.

A China produzia 50% das máscaras cirúrgicas mundiais. Com o Corona, fábricas aumentaram a produção em 12 vezes! Virou Economia de Guerra. Estima-se que 10 mil empresas de bebidas, carros, fraldas e até naves espaciais passaram a produzir produtos médicos. Tudo com apoio do Governo, que flexibilizou licenças, concedeu subsídios e garantiu que comprará os estoques remanescentes A China não está sozinha Taiwan, por exemplo, também implementou uma política industrial de emergência para máscaras cirúrgicas. Uma hipótese para o sucesso de países asiáticos no combate ao COVID-19 sem necessidade de quarentena decorre do % da população usando máscaras cirúrgicas. Estado chines esta estimulando a reconversão industrial logo e conscientizando a população sobre a necessidade de utiliza-las. Agora, com a epidemia sob controle na China, países que não produzem o suficiente destes produtos dependerão da boa vontade dela, que já indica que utilizará sua relevância na produção mundial como instrumento de política externa Saúde é estratégico. Analista entrevistado pelo Global Times, periódico ligado ao Partido Comunista Chinês, afirma que a China poderia banir exportações de produtos médicos aos EUA como retaliação às sanções americanas à Huawei. Política industrial de emergência para conter o Coronavírus em Taiwan. I)Regulação, ii)Articulação entre instituições públicas e privadas, iii) Proibição das exportações. Compras governamentais Capacidade produtiva de máscaras deve aumentar 150% em um mês!

 

Por Paulo Gala e Felipe Augusto.

Disponível em: https://www.paulogala.com.br/o-mundo-no-combate-ao-coronavirus-licoes-para-o-brasil/ 

 

Referências:

https://www.3dprintingmedia.network/why-we-need-ventilators/amp/?__twitter_impression=true

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30229968/

https://www.bloomberg.com/news/articles/2020-03-10/the-global-mask-shortage-may-be-about-to-get-much-worse

https://www.ft.com/content/5a2ffc78-6550-11ea-b3f3-fe4680ea68b5

https://asia.nikkei.com/Spotlight/Cover-Story/How-China-s-chip-industry-defied-the-coronavirus-lockdown

https://www.uol.com.br/tilt/noticias/redacao/2020/03/22/china-vai-empregar-robos-que-usam-raios-uv-para-desinfetar-hospitais.htm

https://brpolitico.com.br/noticias/governo-federal-requisita-a-fabricantes-totalidade-de-respiradores/

https://twitter.com/adam_tooze/status/1239891734626103297?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1239891734626103297&ref_url=https%3A%2F%2Fwww.paulogala.com.br%2Fo-mundo-no-combate-ao-coronavirus-licoes-para-o-brasil%2F

Deixe uma resposta