É preciso ainda aproveitar para o Brasil a sua experiência: Affonso Heliodoro e a Pátria grande

No último sábado (20), aos 102 anos, faleceu o coronel Affonso Heliodoro dos Santos, fiel escudeiro de Juscelino Kubitschek ao longo de toda sua vida. Ele estava hospitalizado desde quinta-feira (18) e morreu após complicações cardíacas.

Diz-se que por trás de todo grande líder ergue-se um exército de pessoas incansáveis, competentes e inquebrantáveis, dispostas a doarem-se por completo por um projeto. Coronel Affonso Heliodoro era uma dessas pessoas. Arriscou tudo, sem reservas e sem expectativa de receber nada em troca a não ser servir a um projeto de País generoso e soberano.

Acompanhou JK desde o Governo de Minas Gerais (1951-1955), tendo sido o chefe do Gabinete Militar. Coordenou a campanha vitoriosa à Presidência da República em 1956 e ao Senado em 1961. Era um dos responsáveis pelo movimento “JK-65”, cujo lema era “5 anos de agricultura para 50 de fartura”. Seguiu JK no exílio em Paris, após sua cassação pela ditadura:

“Não posso deixar de confessar que viver fora do país, sem saber quando será possível o regresso, é o castigo mais cruel imposto a um homem que só pensava no Brasil, só estudava Brasil, só viajava pelo Brasil e em torno de si reunira uma equipe só para adorar o Brasil. Você, meu caro Afonso, não pode perder a experiência que adquiriu. Notável. Autodidata aprendeu consigo mesmo cousas que me deixavam surpresos. É preciso ainda aproveitar para o Brasil a sua experiência”.
JK em carta para Affonso, em Paris (18/07/1964).

Durante o governo JK, Coronel Affonso foi subchefe do Gabinete Civil da Presidência da República e presidente do Serviço de Verificação das Metas Econômicas do Governo, sendo o responsável direto pelo cumprimento das metas do célebre Plano de Metas. Cuidou da construção da Capital. Viajou o País por completo. Sabia na carne quais as potencialidades verdadeiras do Brasil.

Em entrevista que tive a honra de acompanhar, Affonso ensinou a todos o segredo de seu sucesso: dormir pouco e trabalhar muito. Feliz o país que pôde contar com tanto trabalho por mais de 100 anos.

A defesa intransigente de JK, por toda a sua vida, reflete a defesa intransigente de um projeto nacional de desenvolvimento para o Brasil: ao ser escudo, espada e cajado de JK, na verdade, coronel Affonso Heliodoro estava a serviço de todos os brasileiros.

Somos nós quem o agradecemos. É preciso ainda aproveitar para o Brasil a sua experiência.

Deixe uma resposta