Bolsonaro e Roberto Jefferson articulam racha no centrão com histeria golpista

Não apenas o Brasil não é para amadores, como Bolsonaro não é um deles. Depois do enorme desgaste causado pela crise do coronavírus e sua política errática de combate à pandemia, o presidente reorganiza sua tropa, estabelece uma estratégia, e começa os movimentos táticos. Depois de semanas levando pancadas da Globo e panelaços da classe média, Bolsonaro manteve seu terço de apoiadores no eleitorado, o que inviabiliza os dois terços no Congresso necessários para removê-lo como foi removida a amadora Dilma. O movimento de Bolsonaro neste domingo foi impressionante: mobilizou sua base social com o populismo que os unifica, a anti-política, e colocou Roberto Jefferson, aquele mesmo, corrupto confesso no mensalão, para articular o racha no centrão contra Rodrigo Maia.

O líder carismático risca a linha no chão e aponta os inimigos com discurso que une seus apoiadores em torno de sua figura como representante de seus anseios. Bolsonaro não age por impulso ou mera intuição, apesar de estar mostrando poderoso instinto no enfrentamento. O bolsonarismo é um movimento informado e articulado pelas novas tecnologias de análise massiva de dados, o que se chama de “big data”. Além da submissão geopolítica aos EUA, Steve Bannon e Trump são os paradigmas nos quais se apoiam a família Bolsonaro para a organização e mobilização de seu movimento. Não à toa, os bolsonaristas emulam as carreatas dos norte-americanos contra a política e a favor da disseminação do coronavírus.

De dia, Bolsonaro compareceu à manifestação na qual seus apoiadores pediam o fechamento do Congresso e do STF, novo A.I.5, enfim, um golpe militar, enquanto usa suas redes sociais ostensivamente para atacar o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, que lidera o mundo da política contra as facções da anti-política, o bolsonarismo e o lavajatismo. A noite, o presidente assiste ao vivo em suas redes socais uma outra transmissão ao vivo. É uma cena de filme distópico de ficção político-científica. A “live da live” é com Roberto Jefferson, que não é mais deputado federal desde que confessou e foi cassado e condenado por corrupção passiva, mas permanece “dono” do PTB. Jefferson ataca Rodrigo Maia acusando o Congresso de não deixar Bolsonaro governar, e adere aos discursos mais alucinógenos da base social bolsonarista na internet como a teoria da conspiração sobre uma “Nova Ordem Mundial” que governaria o planeta através de sociedades secretas. Essa é apenas uma manobra discursiva de Jefferson para se legitimar perante o público bolsonarista que é peça chave das lutas pelo poder dentro do Congresso.

Maia enfrenta Bolsonaro e Guedes no orçamento e articula com os líderes regionais verdadeira “política de governadores”, que efetivamente estão enfrentando a pandemia na gestão do isolamento social e da saúde pública, além dos prefeitos. Mas o fato é que o chamado “centrão” que dá maiorias parlamentares é sempre suscetível a novas negociações e novos climas políticos. A insatisfação com o isolamento social é real e crescente, principalmente entre os mais pobres, onde cada vez mais se concentra o apoio de Bolsonaro diante do aumento de sua rejeição pela classe média. Os governadores sentem as pressões pelo fim da quarentena, e Bolsonaro aposta nessa insatisfação para se salvar do desgaste pela crise econômico-social. Prefeitos a mesma coisa. A cada dia que passa, atores locais e regionais desejam nova negociação orçamentária com a União para seus problemas, e com a sucessão no comando do Congresso chegando, representantes do baixo clero parlamentar começam a ver com bons olhos protagonizar uma aproximação com o governo e rompimento com Maia.

É disso que se trata a surreal aliança entre Bolsonaro, chefe da anti-política boçal que pede o fechamento do Congresso sob acusações de corrupção, com um dos mais notórios corruptos da história do Brasil. Roberto Jefferson está tentando se transformar em uma fênix reacionária da política de negociatas do baixíssimo clero do Congresso. É até meio ridículo acusar hipocrisia numa situação dessas. Ainda mais de uma família presidencial envolvida até a medula com milícias. O que impressiona mesmo é o pragmatismo cruel envolvido nesse movimento contra-intuitivo de Bolsonaro que se volta ao famigerado “toma lá, dá cá” que tanto denunciou para se eleger. A política se impõe. A negação da política tem seu limite na capacidade de destruía-la. Se Bolsonaro não pode fechar o Congresso, ele precisa encontrar sua base parlamentar, é isso que ele está tentando fazer.

Rodrigo Maia, profissional da política que tem protagonizado incríveis freios ao avanço do autoritarismo corporativista judicial e da boçalidade bolsonarista, reagiu com sangue frio. Acusou duramente o grave golpismo do ataque às instituições feito por Bolsonaro, mas sem meter os pés pelas mãos em uma reação histérica como exigem certos setores da esquerda. Derrubar Bolsonaro não está no horizonte imediato. As lutas concretas de cada dia vão se desenrolar, e só haverá dois lados por um bom tempo em todas as batalhas, a política contra a anti-política.

Bolsonaro e Roberto Jefferson articulam racha no centrão com histeria golpista

23 Comentários

Deixe uma resposta