RICARDO CAPPELLI: Cerco e aniquilamento: a lógica é outra

Quem raciocinar sobre o governo Bolsonaro com a lógica anterior estará fadado a não entender o que está acontecendo.

Estamos diante de uma ruptura brutal com o sistema. Lula manteve, seja no presidencialismo de coalizão, seja na lógica de manutenção do tripé da política macroeconômica, os mesmos paradigmas do governo FHC. O conteúdo político ideológico do governo, as prioridades, obviamente foram outras, mas sem ruptura com o sistema.

Bolsonaro está comandando uma ruptura guiado pela lógica militar. Na política, quando se ganha, a recomendação é distensionar, acalmar os ânimos. Na guerra a marcha continua até o aniquilamento do inimigo ou sua rendição humilhante.

Muitos sinais indicam que a Lava Jato contou com apoio de fora. Além dos formais, como o acordo do MP brasileiro com os EUA, algumas digitais, como a invasão dos emails de Dilma, indicam que a CIA/NSA estão nos visitando e orientando parte da burocracia estatal faz tempo.

Não adianta ficar esperneando agora, dizendo que Sérgio Moro se revelou, que sempre foi político e etc. É choro inútil de perdedor. O novo Czar terá sob sua batuta PF, CGU e a política de segurança pública. E o Tio Sam na retaguarda.

Vai marchar com toda força sobre os opositores que serão tachados de corruptos. Não se espantem se a maioria da população aplaudir.

Redução drástica da máquina pública, pauta comportamental conservadora e o abandono do tripé macroeconômico, com câmbio em torno de 4 reais, juros baixos e inflação controlada “sem a paranoia das metas”. Se confirmado, claro, o anunciado até aqui por Paulo Guedes.

Este coquetel de medidas altera paradigmas e pode ser devastador. Lembremos o que ele disse e como foi votado pelo povo: “se preparem vermelhos, império da lei, cadeia ou exílio”.

A construção de uma Frente Democrática, sem partidismos imbecis, já deixou de ser uma necessidade política. Trata-se de uma estratégia defensiva de sobrevivência.

O rolo compressor começará a rodar já já. Quem ainda se ilude com uma resistência formal ideológica e heroica no vão do MASP pode deixar o passaporte atualizado, ou ir se habituando à cadeia.

Escrevi algumas vezes que Bolsonaro poderia ganhar as eleições, inclusive no primeiro turno. Poucos levaram a sério. Fui chamado por alguns de profeta do apocalipse. Eles estão marchando. Até quando vamos continuar negando a realidade?

Unidade Ampla ou aniquilamento. É só escolher.

Por Ricardo Cappelli

1 Comentário

Deixe uma resposta