GUSTAVO CASTAÑON: Especulando sobre a sanidade de Bolsonaro

Uma pessoa que se considera racional em alguma medida tenta encontrar racionalidade mesmo no comportamento de um sociopata como Bolsonaro. Partindo do pressuposto que ele não quer se suicidar, o que pode explicar o pronunciamento de ontem?

1) Hipótese psicológica: a postura confiante de menino pimpão de cinco anos, feliz falando da “gripinha” que, no mínimo, matará centenas de milhares no Brasil, deve ter vindo do fato de seu teste ter dado positivo ao mesmo tempo que não desenvolveu sintomas. O “passado de atleta” deve ter sido a explicação de algum médico bajulador, que seu narcisismo, prontamente, reproduziu em rede nacional.

2) Hipótese política: Ele está apostando na catástrofe econômica do desemprego, quebradeira e desespero que certamente virão, porque seu governo, ao contrário de todos do mundo, não está aplicando políticas anticíclicas radicais. Detida a rapidez da pandemia por causa da ação da mídia e dos governadores, o colapso econômico não poderá ser detido pois ele não está tomando as medidas necessárias para tal. No entanto, espera jogar a culpa por isso nos governadores e mídia, não sem antes dizer que “era mesmo uma gripinha” e que só morreram alguns milhares.

3) Hipótese infomacional: O post que ele publicou alguns minutos atrás redobrando a aposta em medicamentos contra a doença, assim como sua postura geral, pode ser fruto de alguma infomação privilegiada recebida dos EUA. Neste caso, este anúncio de medicamento aconteceria nos próximos dias.

4) Hipótese boi de piranha: Trump pode ter induzido ele ao erro prometendo ter informações sobre estes tais medicamentos para que o Brasil suspenda as medidas contra o vírus e possa, daqui há quinze dias, tirar os EUA da incomoda posição de país do mundo com mais mortos que ele atingirá em alguns dias, por causa da irresponsabilidade de Trump.

GUSTAVO CASTAÑON: Especulando sobre a sanidade de Bolsonaro

 

5) Em nenhuma das hipóteses, Bolsonaro não é um estúpido e um sociopata.

1 Comentário

  • Caminho para a queda de Bolsonaro:
    O jurista Miguel Reale Jr. entende que Bolsonaro cometeu crime comum em seu pronunciamento (Epidemia – CP, art. 267 – ou Infração de medida sanitária preventiva – CP, art. 268). Logo, pode ser julgado pelo STF e, caso condenado, suspenso das funções de presidente.
    Será necessário que a Câmara dos Deputados vote a admissibilidade (precisa de 2/3, assim como no impeachment – CF/88, Art. 86).
    O vice-presidente, general Hamilton Mourão, assumiria e completaria o mandato.
    Uma observação é que Mourão provavelmente unifica as FFAA. Portanto, não haveria ruptura institucional, golpe ou tumultos nas ruas.
    Segue comentário de Reale Jr: https://www.migalhas.com.br/quentes/322667/miguel-reale-junior-pede-que-mpf-avalie-conduta-de-bolsonaro

    0

    0

Deixe uma resposta