Que fazer? Diante da censura de Crivella

Qual seria a reação correta diante dessa bola levantada por Crivella? Gritar pros quatro ventos que também discorda que crianças possam ter acesso a carícias sexuais. Que qualquer material desse tipo tem de vir com algum aviso, tarja etc. avisando sobre o conteúdo impróprio para menores.

E depois, em voz mais contida, explicar que não é o caso de censurar completamente aquela HQ específica, cujo público não é infanto-juvenil, que estava encalhada e em saldão e cuja disseminação entre menores de idade é ridiculamente restrita.

Em textos destinados a gente mais arguta, palestrar sobre a inocuidade de qualquer conservadorismo que continue se atrelando passivamente ao mercado internacional, consumindo os valores definidos em outra sociedade, e defender que não há possibilidade de resguardar qualquer autonomia nacional, seja em que âmbito for, sem realizar nossa independência econômica. Portanto, conservadores morais estão sendo enganados pelo liberalismo e pelos apóstolos do capitalismo descabelado.

O candidato que adotasse essa postura com competência teria se mostrado como um diferencial em meio à histeria, um ponto médio e flexível no debate, e teria em mãos um discurso capaz de aceitação na maior parte da população. E não teria defendido nenhuma restrição de direitos.

Talvez os esquerdeiros e a zona sul caricata não gostasse de todo esse “centrismo”, mas e daí? O candidato não vai governar a República da zona sul carioca e suas similares nas demais metrópoles. E sim cidades com uma presença bem incômoda pra classe média com culpa burguesa: a presença do povo brasileiro.

Por: André Luiz Dos Reis.

1 Comentário

Deixe uma resposta