Pesquisa: Ciro cresce; Bolsonaro lidera sem Lula

O portal “Poder 360” divulgou ontem pesquisa eleitoral realizada por sua divisão de pesquisas, o “DataPoder360”. Foram 10.500 entrevistas por telefone (fixo e celular) de 349 cidades em todas as regiões do País, entre 25 e 31 de maio, auge da greve dos caminhoneiros. Os destaques foram Jair Bolsonaro (PSL) e Ciro Gomes (PDT).

Nos cenários sem Lula, o militar da reserva lidera desde o ano passado. A surpresa, contudo, foi que, pela primeira vez, Bolsonaro pontuou mais de 21% em todos os cenários questionados (sem o ex-presidente Lula, é claro). A greve dos caminhoneiros parece ter inflado seus números. Até 77% de seus eleitores afirmam que não trocarão de candidato até as eleições. Popular entre os homens (com desempenho de 29% a 37%), Bolsonaro continua com pouco amparo do público feminino (13% a 14%).

Ciro Gomes, por sua vez, manteve a ascensão registrada nas últimas pesquisas e, ao que tudo indica – pelo menos até o início oficial das campanhas eleitorais – consolidar-se-á na segunda posição. Líder no Nordeste (onde chega a 19% das intenções de voto, à frente de Bolsonaro), Ciro precisa cativar os jovens de até 24 anos, tendo o fraco desempenho de 8% entre eles.

Destaca-se também que o nome do ex-prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB), foi colocado em um dos cenários da pesquisa. Postulante ao governo do estado bandeirante, Doria já testou a reação de seu partido caso tentasse emplacar sua candidatura ao Planalto. Não foi prontamente rechaçado. Foi colocado em standby. O fraco desempenho de Alckmin, contudo, pode reativar o plano. A ver.

O fato é que, embora estreante nas pesquisas à Presidência, Doria já iguala as intenções de voto do pré-candidato oficial do partido. Demonstra, por um lado, que sua candidatura, devidamente trabalhada, pode ir mais longe; por outro, o fraco respaldo popular do PSDB em nível nacional, independentemente do quadro que apresentar.

Foram mostrados três cenários para os entrevistados, todos direcionados. Nos dois primeiros foram apresentados somente os “favoritos” (pré-candidatos que pontuam acima de 5%). No terceiro cenário, todos os pré-candidatos foram mencionados.

A ausência mais sentida – e questionada por militância e imprensa – foi a do ex-presidente Lula, líder em todas as pesquisas oficiais feitas até então.

A margem de erro para o total da amostra é de 1,8 ponto percentual, para mais ou para menos. O registro do estudo no TSE é BR-09186/2018.

Cenários

No primeiro cenário, Alckmin foi colocado como o candidato dos tucanos. O resultado foi o seguinte: Bolsonaro (25%), Ciro Gomes (12%), Haddad (8%), Alckmin (7%), Álvaro Dias e Marina Silva (6%), branco/nulo (28%), não responderam (8%).

Cenário 1 eleições presidenciais
Fonte: Poder360

No segundo cenário, Doria substituiu Alckmin, e o resultado foi este: Bolsonaro (22%), Ciro Gomes (12%), Haddad (8%), Marina Silva (7%), Doria e Álvaro Dias (6%), branco/nulo (29%), não responderam (11%).

Cenário 2 eleições presidenciais
Fonte: Poder360

No último cenário, com todos os pré-candidatos e Alckmin de volta no lugar de Doria, os favoritos ficaram com os seguintes resultados: Bolsonaro (21%), Ciro Gomes (11%), Marina Silva (7%), Haddad e Alckmin (6%), Álvaro Dias (5%), branco/nulo (27%), não responderam (12%). Manuela D’ávila, Collor, Flávio Rocha, Meirelles, Rodrigo Maia, Afif Domingos, Guilherme Boulos, João Amoedo e Paulo Rabello somaram 6%.

Cenário 3 eleições presidenciais
Fonte: Poder360

1 Comentário

Deixe uma resposta