RICARDO CAPPELLI: Corrida eleitoral: as noivas, Bruce Lee e o Samurai

Na eleição para o governo do Rio em 2014, Paulo Melo (PMDB), então presidente da Alerj, cunhou uma frase que entrou para história: “nós reunimos 18 partidos. Eles vão ter apoio de quantos? O único lugar em que 1 ganha de 18 é em filme do Bruce Lee.”

Sérgio Cabral já estava com sua popularidade no chão. Renunciou para que Pezão, então vice, assumisse e disputasse a reeleição. Os adversários desdenhavam, diziam que nada seria capaz de livrar o PMDB da farra dos guardanapos de Cabral em Paris. Com 18 partidos, e mais 3 no segundo turno, Pezão foi reeleito.

Sem Joaquim Barbosa, o PSB entrou no time de noivas cortejadas. Para onde for poderá sinalizar a criação de um pólo. Os Socialistas podem ainda decretar a neutralidade, pensando apenas nos projetos estaduais.

Rodrigo Maia tenta liderar um bloco de olho em sua reeleição à presidência da Câmara. A Globo lhe acena novamente com a derrubada de Temer, pressionando a PGR pela terceira denúncia. Maia assumiria a presidência e disputaria a reeleição no cargo. Não topou das outras vezes, é pouco provável que tope agora. Tem consciência de seus limites eleitorais.

DEM, PP, PRB e Solidariedade desfilam três pré-candidatos. Na prática, procuram alguém com chance real que lhes garanta o poder no legislativo em 2019. Tentam atrair o PR para o time.

Este bloco andou flertando com Ciro, não se sabe se amor verdadeiro ou se apenas para causar ciúmes em Alckmin.

O PT, ao colar a defesa de Lula à sua candidatura, tenta manter os Lulistas não orgânicos por perto.  Com a fragmentação reinando e a direita batendo cabeça, a estratégia petista continua de pé.

Ciro está na moda. Cresceu politicamente, vem conquistando apoios dos governadores do nordeste, mas também continua isolado partidariamente.

Alckmin ocupa a vaga do PSDB, parece contar com PTB e PSD, mas Doria nunca deixou de sonhar. Uma troca pelo ex-prefeito poderia unificar São Paulo em torno da chapa Doria-França. É improvável, mas com Alckmin patinando, seria uma jogada inteligente.

Ciro será candidato. Bolsonaro será candidato. O PT terá candidato. Manuela (PCdoB) e todos os demais pré-candidatos serão cortejados nos próximos 90 dias. Podem confirmar voos solos para marcar posição ou moverem-se, fortalecendo pólos com reais chances de vitória.

Marina é uma candidata expressiva sem partido. Especula-se que trabalha por uma aliança com Álvaro Dias, que tampona os tucanos no sul. Político tradicional que tenta posar de “novo botox”, o senador pode ser sua salvação.

Josué Alencar e Benjamin Steinbruch são as “noivas” do setor produtivo. Filiados ao PR e ao PP, respectivamente, carregam o sonho de repetição do sucesso da chapa Lula-Zé Alencar.

Bolsonaro parece ser o único capaz de resistir a um voo solo. Candidato a Bruce Lee, pode inclusive se beneficiar do isolamento. Mesmo assim anda flertando com o PR.

Se um pólo se formar em torno do PSDB passa a ser real a chance dos Tucanos no segundo turno.  Se conseguir aliados, Ciro entra na briga. Bolsonaro e o plano B do PT em setembro também disputarão uma vaga.  Hoje, destes quatro (se Marina ampliar entra no grupo), dois estarão no segundo turno.

O campo conservador terá um representante. A tendência é a esquerda estar representada, mas a fragmentação gera uma incerteza real.

Se houver uma reviravolta improvável e Lula, o único Samurai, mestre de Bruce Lee, tiver sua candidatura confirmada, obviamente tudo muda.

As “noivas” dirão sim para quem? Para onde vai o PSB? Para onde vai o bloco Maia-Centrão? Para onde vai Marina? Para onde vão os pequenos partidos, ou os que possuem candidatos frágeis, incluído aí o MDB? Estes movimentos serão decisivos.

Com os outsiders fora e o Samurai preso, é bom ficar atento. O único lugar em que 1 ganha de 18 é em filme do Bruce Lee.

Deixe uma resposta