Edmilson – fé no que virá

Por Alberto Imbiriba – Belém chega ao segundo turno de suas eleições para prefeito com duas candidaturas bem distintas, o primeiro colocado foi Edmilson Rodrigues (PSOL) com 34,22% dos votos validados, o que representa 248.751 eleitores. Enquanto o 2 colocado delegado federal Eguchi (PATRIOTAS) obteve 23,06% dos votos validos, representando 167.599 eleitores. Nesse texto pretendo falar sobre o 2 turno das eleições em Belém, e do histórico de eleições do eleitorado belenense.

A diferença que separa Eguchi (PATRIOTAS) de Edmilson (PSOL) se encontra em 11,16%, uma diferença que parece pouca, mas nesse texto pretendo falar das porcentagens que Eguchi (PATRIOTAS) e Edmilson (PSOL) precisam para ganhar a eleição em Belém. Para ganhar Eguchi precisa tirar uma diferença de 27,94% dos votos validados acrescidos dos seus 23,06% de votos do primeiro turno. Já para Edmilson a missão parece menos complicada, ele precisa de 15,78% dos votos acrescidos aos seus 34,22% para se tornar o próximo prefeito de Belém e ir para o seu terceiro mandato.

Agora vamos ao histórico dos eleitores de Belém, a única vez que o candidato derrotado no primeiro turno virou a eleição e conseguiu se eleger prefeito, foi Zenaldo Coutinho (PSDB) em 2012 na sua primeira eleição para prefeito, ao qual derrotou o próprio Edmilson Rodrigues nas urnas. E preciso ressaltar que naquela eleição, a diferença que separaram Zenaldo (PSDB) e Edmilson (PSOL) se encontrava menor que 2% dos votos validos, enquanto Edmilson (PSOL) tinha 32,58%, Zenaldo (PSDB) obteve 30,67% dos votos validados com uma diferença de um pouco mais de 15 mil votos. Tirando essa eleição nenhum candidato derrotado no 1 turno conseguiu reverter a eleição no 2 turno, e outro dado que chama atenção nessa eleição e a porcentagem que Zenaldo (PSDB) conseguiu reverter em cima de Edmilson, 26% foi a porcentagem que Zenaldo conseguiu para se eleger, uma porcentagem menor daquela que Eguchi ( PATRIOTAS) precisa reverter. Os 26% obtidos por Zenaldo Coutinho foi o maior numero de votos obtidos por um candidato, em relação aos seus votos obtidos no primeiro turno na cidade de Belém, Ramiro Bentes do PDT vem logo atrás na eleição de 1996, ao qual concorria com o mesmo Edmilson rodrigues, e fez uma virada na votação saindo dos 19,60% no primeiro turno, e fazendo 42,53% dos votos no segundo turno, uma diferença de 22,93% dos votos que continua longe dos 27,94% dos votos precisos por Eguchi.

E também preciso analisar que as eleições em que Edmilson Rodrigues (PT) foi candidato sempre foram apertadas, a maior diferença obtida pelo candidato em uma eleição foi no ano de 1996 na sua primeira vitória a prefeitura de Belém, quando a vantagem sobre o candidato Ramiro Bentes (PDT) no segundo turno chegou aos 15% dos votos, com Edmilson (PT) ficando com 57,47% enquanto Ramiro Bentes (PDT) ficou com 42,53%. A eleição mais apertada que Edmilson (PT) participou foi na sua reeleição no ano de 2000, que a diferença para o candidato Duciomar Costa (PSD) ficou menor que 2% dos votos, enquanto Edmilson (PT) obteve 50,75% dos votos, Duciomar (PSD) obteve 49,25% dos votos validados. Em 2016 Edmilson (PSOL) enfrentou novamente uma eleição apertada, com a diferença entre ele e seu concorrente Zenaldo Coutinho (PSDB) ficando menor que 2% dos votos no primeiro turno, e menor que 5% no segundo turno.

Outro dado animador do histórico das eleições em Belém se encontra na característica do eleitor, de não eleger candidatos de primeira viagem, com exceção de Edmilson rodrigues em 1996 que ganhou na sua primeira eleição como prefeito, Duciomar Costa e Zenaldo Coutinho já tinham sido candidatos no ano de 2000, com Duciomar se elegendo na eleição seguinte no ano de 2004, e Zenaldo Coutinho na eleição de 2012. A tendência histórica da eleição em Belém mostra que desde 1996, que foi a ultima eleição com o proibitivo de reeleição, nenhum outro prefeito de primeira eleição foi eleito.

Essas eleições já se mostram históricas com a possibilidade de eleger pela primeira vez um prefeito para o seu terceiro mandato, ou eleger pela primeira vez desde 1996 um prefeito na primeira candidatura. No dia 29 de outubro os eleitores de Belém vão realizar um voto histórico, consolidando a nossa já conturbada democracia, mas que sobrevive com a força republicana das suas instituições. Nossa constituição foi feita para contrapor os autoritarismos, radicalismos e extremismos que o Brasil vivenciou, e o povo de Belém de acordo com a tendência histórica das eleições na cidade, deve eleger Edmilson Rodrigues para o seu 3 mandato como prefeito. A tendência histórica mostra que dificilmente o candidato Eguchi possa tirar 27,94% de diferença dos votos, mas deixo por ultimo um ultimo dado animador nesse artigo, nunca na historia de Belém um candidato se elegeu no 2 turno obtendo menos de 30% dos votos no primeiro turno, e no Brasil a historia conhece poucos casos em que isso aconteceu. Fiquem calmos, fé no que virá, o povo vai dar sua resposta nas urnas, se quer um aventureiro ou um gestor conhecido pela sua boa administração. Dia 29 é ED50!!!

Por: Alberto Imbiriba

Edmilson fé no que virá

Fontes:

http://g1.globo.com/pa/para/eleicoes/2016/apuracao/belem.html
http://g1.globo.com/pa/para/apuracao/belem.html
https://pt.wikipedia.org/wiki/Elei%C3%A7%C3%A3o_municipal_de_Bel%C3%A9m_em_2008
https://pt.wikipedia.org/wiki/Elei%C3%A7%C3%A3o_municipal_de_Bel%C3%A9m_em_2004
https://pt.wikipedia.org/wiki/Elei%C3%A7%C3%A3o_municipal_de_Bel%C3%A9m_em_2000
https://pt.wikipedia.org/wiki/Elei%C3%A7%C3%A3o_municipal_de_Bel%C3%A9m_em_1996

Deixe uma resposta