CESAR BENJAMIN: Eleição contestada dos EUA inicia crise pior que o 11 de setembro

Por Cesar Benjamin – Escrevo no início da manhã do dia 4 de novembro, com a apuração das eleições americanas ainda em curso. Muita coisa acontecerá nas próximas horas. Mas já é possível dizer que estamos diante de eventos muito mais importantes que o atentado às torres gêmeas em 2001.

O atentado foi um crime grave, impactante, com múltiplas consequências, mas só isso: um crime. Não ameaçou a higidez do Estado americano e os valores de sua sociedade.

O que vemos hoje é uma crise aguda deste Estado e desta sociedade, apresentados ao mundo como grande referência de êxito nas últimas décadas. Isso acabou.

Haveria muito a dizer. Limito-me a um aspecto.

O próximo presidente americano, que ainda não sabemos quem será, governará uma sociedade ultradividida, internamente, e cuja hegemonia mundial é claramente cadente.

Ele terá, forçosamente, que fazer guerras externas, seja para aumentar o próprio poder na disputa interna com o Congresso, seja para tentar coesionar o país, seja para mudar as regras do jogo internacional. Mantidas essas regras, a China já venceu.

Uma situação de relativa normalidade não interessa aos Estados Unidos.

Nunca houve transição de hegemonia sem guerra. Desta vez não será diferente.

Por Cesar Benjamin

Deixe uma resposta