THOMAS DE TOLEDO: O que a esquerda ganhou com as eleições para a Câmara?

Eleições para qualquer casa legislativa raramente se dão em torno de um programa eleitoral, esquerda ou direita, porque as bancadas já foram eleitas. Tratam-se, portanto, de um acordo para a divisão de cargos na mesa diretora e nas comissões, que dão o ritmo de toda atividade parlamentar. Assim, o que conta não são as melhores ideias, discursos mais inflamados ou quem adesiva mais perfis nas redes sociais, mas a habilidade em movimentar peças para assegurar os interesses próprios de cada agremiação.

Ontem, na eleição pra mesa diretora da Câmara, cada partido de esquerda jogou suas cartas. O PT pretendia acima de tudo ficar com a liderança da oposição e assumir um ou dois lugares na mesa. O PSOL, lançar uma candidatura sem chances de vencer, mas boa para bater bumbo à plateia das redes sociais. O PSB queria uma vaga na mesa. O PDT, também ansiava pela mesa e por tirar do PT o protagonismo de liderar a oposição. O PCdoB precisava garantir o reconhecimento da incorporação do PPL e assegurar a presença nas comissões que dão visibilidade e força a seus deputados se posicionarem para enfrentarem as reformas bolsonaristas.

Quem baixou a primeira carta foi o PSOL, lançando unilateralmente a candidatura de Freixo, o que gerou um mal estar na esquerda, que sabia de sua inviabilidade. Em seguida, o PCdoB e o PDT anunciaram que não fechariam com Freixo e que apoiariam um candidato que tivesse chance real de vencer para terem vagas na mesa e nas comissões. O PT fez o terceiro movimento: afastou o PSB do PCdoB e PDT, prometendo-lhes a primeira chamada da chapa na mesa, em troca de ficarem com a segunda chamada e a liderança da oposição; ao PSOL, o PT prometeu apoio público a Freixo pra jogar pra plateia e nos bastidores fechou apoio parcial a Maia.

No meio da semana, o PT publicou um chamado provocador à “unidade da esquerda”, instando publicamente o PCdoB e o PDT a apoiarem seu bloco, sem prometerem nos bastidores aquilo que estes demandavam. PCdoB e PDT ficaram quietos e mexeram suas peças, com um desfecho surpreendente.

O bloco da centro-direita juntou mais de trezentos deputados, o que lhe dá maioria na mesa. O do PT, PSB, PSOL e Rede aglutinou 97 deputados. Tudo parecia indicar que PCdoB e PDT caminhavam pro isolamento, quando inscreveram uma chapa com uma miríade de partidos de centro e alcançaram surpreendentemente 105 deputados. Ficaram em segundo lugar, o que garante a liderança da oposição e duas chamadas na mesa.

Cheque-mate nos planos do PT de ser o partido que liderará a oposição, tarefa que caberá agora ao PDT. Pra completar, a articulação desastrosa petista quase deixou-os fora da mesa, pois sua chapa só conseguiu duas chamadas e o PT, mesmo tendo a maior bancada, conseguiu apenas a última suplência.

Quando PT e PSOL perceberam que tinham fracassado, partiram para a baixaria. Atacaram a incorporação do PPL ao PCdoB e usaram o palanque da câmara para fazerem um discurso sectário contra este partido. O líder comunista respondeu que na luta contra o governo Bolsonaro eles precisarão estar juntos. Mas qual clima fica? Manuela escreveu um desabafo de quem está cansada de sempre ver seu partido se sacrificar pelo “bem maior”, sem ter o apoio dos aliados para suas demandas. Ou seja, feridas ficaram abertas.

Essas eleições à câmara deixaram claro que não há mais espaço para o PT seguir impondo hegemonismo a todo custo. A candidatura fake de Lula nas eleições, a anulação do PSB, a cooptação por chantagem do PCdoB, o isolamento do PDT e lançamento tumultuado da chapa Haddad/Manu gerou rusgas na esquerda e facilitou a vitória de Bolsonaro. Em vez de melhorar o clima, as eleições à câmara pioraram.

Resta agora saber até quando o PT ficará disputando poças d’água, quando se tem um oceano pra navegar e até quando o PSOL seguirá fazendo ao público o papel de virgem vestal, sem de fato garantir o que interessa: a resistência real ao bolsonarismo, ocupando espaços que não devem ser tomados por eles.

Por último, para vencer o bolsonarismo, “frente de esquerda” é inútil nesta correlação de forças, ainda mais se for liderada pelo PT, que mostrou nestas eleições ter a maior rejeição na sociedade. Bolsonaro só ganhou graças ao antipetismo. Portanto, é preciso uma “frente ampla” que aglutine além da esquerda, setores do centro, do campo popular, democrático e nacional. Primeiro o programa, depois os líderes.

Por Thomas de Toledo

6 Comentários

  • Afff PDT não é esquerda. Segundo, quem aprova a incorparação do PPL ao PCdoB é a justiça eleitoral, o que ainda não foi aprovado ainda. Desas forma, não poderia valer para a composição dos blocos, foi isso que o PSOL e o PT questionaram e que fez o bloco da esquerda ficar em terceiro. Entretanto, o Maia e o Ciro para afastar o PT “bularam” isso. O questionamento do PSOL e do PT não coloca em risco a incorporação do PLL pelo PCdoB. Isso foi usado para justificar a traição.

    1

    2

  • Um excelente texto, que de forma clara desnuda o PT e mostra que mesmo depois de todas as jogadas políticas e não políticas pra se manter no poder, eles ainda continuam a tramar de forma sorrateira, lamento que um partido que se mostrava como defensor das causas sociais se preste a um papel de perfeitos canalhas.

    2

    0

  • Enquanto a política estiver alicerçada neste sistema profundamente nocivo a saúde administrativa brasileira, não creio que acordos, aliança e outros meios de fortalecimento político fará alguma diferença na vida do brasileiro assaliarado. A politica no Brasil demanda muito privilegio desnecessário desvirtuando o foco daquele que assume ia cadeira parlamentar. O político brasileiro tem de ser tratado como um trabalhador como outro qualquer com os mesmos privilégios a obrigação em cumprir com o seu dever. O que presenciamos é um custo altamente dispendioso e o rombo da divida pública tornando-se estratosférica pela desonestidade e má administração. A única relação público-privada que funciona na política e na administração pública é que um é corrupto e o outro é o corruptor.

    0

    0

Deixe uma resposta