ELIAS JABBOUR: O Brasil afundará não pelas razões dele (o governo da infâmia)

Segundo o presidente eleito, já cercado pelas contradições em sua própria base,  “se eu afundar, o Brasil afunda junto”. Continuando, afirmou ainda que muito mais grave que a corrupção é o problema ideológico.

De um ponto de vista oposto, concordo com ele. O problema ideológico é grave com o aprofundamento (via ignorância generalizada) de nossa secular “fragilidade ideológica” representada nele mesmo, um puddle à serviço dos interesses de uma potência estrangeira nomeando funcionários deste país ao seu governo (Sérgio Moro).

Sobre a primeira frase. Também concordo. De também em sua oposta forma. A eleição dele é o início do fundo do poço da nação. A descolonização e a barbárie social se aprofundarão com ele, um boneco guiado pelos EUA e a grande finança. Um entreguista completo. Um governo infame.

O Brasil afundará sim. E seu resgate depende de a esquerda compreender o que está acontecendo e os riscos anexos. A centralidade da Questão Nacional nunca foi tão escancarada, mesmo no lusco fusco do diversionismo das pautas liberais e fragmentários que atazanam a esquerda desde a década de 1990.

De nós, o Brasil espera grandeza, não luta pela hegemonia num barco afundado. Busquemos unidade da esquerda ao centro do espectro político, invocando o perigo de destruição do sonho brasileiro, da Pátria Grande Brasileira pelas mãos dessa gente. O contrário, se tendência que percebo predominar, dobrar a aposta nas pautas identitárias, seremos facilmente isolados e aniquilados. E o Brasil afundará junto.

É hora de olhar além do próprio umbigo e do horizonte.

Por Elias Jabbour

1 Comentário

  • a tomar pelos 3 comandantes militares já anunciados e por Marcos Pontes na ciência e tecnologia (nenhum deles da turma do Bolsonaro) e levando em conta o que tenho visto no CEEx (em atuação permanente e contrariado com a OTAN oficialmente na Colômbia e com o apoio de Macri na Argentina), num cenário no qual TODOS ESTÃO ABANDONANDO A OTAN (antes de ontem foi a Austrália que se abraçou com a China), temos a formatação de um futuro pretérito “presidente”. ENQUADRADO, tá prontinho pra desmoronar.
    já a esquerda não se ajeita nunca. ela é de um fetichismo pornográfico e pornofônico. inclua aí o Ciro, incapaz de não falar e não fazer bobagem, que tenta se colocar como saída no olho do furacão Yuan que está pra chegar, talvez já no G20.

    1

    0

Deixe uma resposta