ELIAS JABBOUR: O que está acontecendo? (Onda conservadora?)

A última pesquisa Ibope divulgada demonstra ampliação da vantagem de Bolsonaro diante do candidato da Frente Democrática, Fernando Haddad. A rejeição ao candidato do PSL estaria na casa de 35% enquanto Haddad passa dos 50%. Um quadro terrível ao nosso campo que não deve servir para desânimo ou prostração. A mim não cabe, Hegel e Kondratiev são bússolas anexas à minha cabeça. A pergunta que todos se fazem: o que está acontecendo? Sei que em alguns anos milhares de dissertações e teses de doutorado irão jorrar das linhas de produção montadas nos moldes americanos enfiados goela abaixo na universidade brasileira. O tema: a “onda conservadora”.

Em Economia Política (principalmente em sua “crítica”), com muito esforço aprendi que quando um fenômeno é tratado como “padrão”, “modelo” ou “milagre” é sinal de que as teorias à disposição do “mercado de ideias” não são capazes nem, utilizando Kant, de explicar o “fenômeno”. Menos ainda adentrar ao seu “nômeno”. Na política é a mesma coisa. Chamar de “onda” algo construído historicamente é preguiça de sentar, estudar e passar horas, dias, meses e anos não somente estudando história, mas aprendendo a observar o fenômeno com visão de “processo histórico”.

O que ocorre no Brasil e no mundo não é uma “onda conservadora” strictu sensu. Ocorre fenômeno semelhante ao que Ignacio Rangel (em nome da justiça intelectual, muito antes da querida professora Maria da Conceição Tavares, diga-se de passagem) já observava no início dos anos de 1980, uma ofensiva do imperialismo para retomar espaços perdidos durante os anos de 1950, 1960 e 1970. Colocaram o Japão de joelhos em 1985, enquadraram a Alemanha, cobraram de casa em casa a dívida externa dos países da periferia (a começar pelo próprio quintal, o México), impuseram uma Guerra nas Estrelas à URSS, espalharam violência aberta e contrarrevolucionária por toda a América Latina e decuplicaram a capacidade de emissão de moeda. O dólar deixou de valor alguns quilos de ouro. O valor do dólar era o próprio dólar em si.

No presente, em condições diferentes, ocorre algo semelhante. Em meio à intervenção em massa do Estado chinês com um pacote de US$ 680 bilhões para enfrentar a crise financeira e criar capacidade instalada para em 2013 lançar o desafio de conectar o mundo por via marítima e terrestre (tendo seu sistema financeiro e imensos conglomerados estatais como pontas de lança do projeto), os EUA acordaram para a sua dura realidade. Obama foi devidamente deslocado para um papel que cumpriu muito bem (o de um palhaço, a rir e falar bonito – uma das maiores mediocridades políticas da história dos EUA) e os conservadores passaram – de fato – a dar as cartas no país.

Estudos comprovam que nenhum país beneficiado pelo projeto inicial do projeto da Nova Rota Terrestre e Marítima da Seda saiu ileso de desestabilizações de todo o tipo. A abertura de torneira do petróleo da Arábia Saudita estrangulou as economias russa e venezuelana. O Oriente Médio e a África do Norte sentiram o gosto da aliança EUA, Al Qaeda e Estado Islâmico. O Brasil entrará em ebulição ultraconservadora com as manifestações (que muitas crianças pequeno-burguesas chamam de “jornadas de junho [ou julho])”. À desestabilização política do Brasil, seguiu-se um golpe de Estado e uma eleição – que como estamos a assistir – está sendo muito bem conduzida pelos golpistas assessorados por urubus vindos diretos dos Estados Unidos para construir a subjetividade de um povo sofrido com quatro anos de crise e uma violência que crassa no país adentro.

A Europa, como no início dos anos de 1980, já está devidamente enquadrada com a Alemanha comprando carne americana. A China socialista está sob intensa pressão: segundo as palavras do conselheiro de segurança nacional John Bolton, as pressões serão “triplicadas”. Neste tocante (A China) temos um bom motivo de alívio: os sucessores de Mao Tsétung são quadros muito melhor preparados que os sucessores de Stálin: Xi Jinping chama Gorbachev de traidor do socialismo. Com os chineses, a conversa é outra.

E o Brasil? Não adianta chorar o leite derramado ou a ser derramado. Ganhando ou perdendo, é muito claro que o pomo da discórdia já está posto no cenário político, social e econômico brasileiro. O imperialismo, nas palavras de Lênin “a reação em toda linha”, não brinca em serviço e sua subestimação é um dos motivos que nos levou a esta situação. Para se ter uma ideia não foram poucas as vezes que vi professores de “esquerda” (em grande medida cirandeiros e intelectuais de baixo nível) repreendendo alunos que em suas dissertações ou teses ainda utilizavam do termo “imperialismo”. Ora, aos que sabem como o mundo funciona, “imperialismo” aos marxistas consequentes é uma categoria de análise, não uma palavra de ordem. Abandonar esta categoria de análise está resultando, em grande medida, no quadro que vivemos hoje e que muitos chamam de “onda conservadora” o que Lênin chamaria de “reação em toda linha”, ou seja, ação deliberada do imperialismo para recompor seus espaços de poder pelo mundo e pelo Brasil.

Encerrando, uma ampla parcela da intelectualidade nacionalista, progressista e democrática do país deverá ser chamada ao debate após as eleições. Nem que seja para comprovar, de fato, que o imperialismo venceu no front interno. Afinal de contas a quem interessa colocar na cabeça das esquerdas (desde a década de 1990) que são “ruins” ou “antiquadas” noções como “desenvolvimento econômico”, “política industrial”, “nação”, “nacionalismo”, “Pátria”, “forças armadas”, “agricultura altamente mecanizada”, “Getúlio Vargas” e ter na China como um “exemplo de ditadura de um Partido-Estado organizando uma economia baseada no trabalho escravo”, enfim, a China como o “inferno na terra”? A quem interessa uma esquerda que não tenha no seu arcabouço teórico, programático e simbólico todas essas referências? Quem enquadrou a esquerda a substituir o método do “processo histórico” e da análise do fenômeno a “partir das múltiplas determinações do concreto” em prol do método fascista do chamado “lugar de fala”  e da missão de cuidar dos “fracos e oprimidos”?

Ao responder determinadas questões poderemos tirar da cabeça essa coisa de “onda conservadora” e encontrar as devidas categorias e conceitos (indigestos à honrada “academia” brasileira) à compreensão do que realmente ocorre ao nosso redor. Desde a redemocratização. O imperialismo não é invencível.

Por Elias Jabbour

Deixe uma resposta