Enquanto outros candidatos são réus por corrupção, Ciro é processado por corruptos

Ciro Gomes é processado por corruptos mas nunca por corrupção
Ciro Gomes é processado por corruptos, não por corrupção.

Reportagens lançadas nos últimos dias têm apontado para as pendências judiciais dos candidatos presidenciais, alegando que Ciro Gomes seria o mais comprometido deles perante os órgãos judiciários. No entanto, basta analisar a natureza dos processos em tramitação contra ele para perceber que isso não é verdade. Numa delas inclusive se misturam os processos que o candidato está respondendo com os que ele está movendo como autor. Esse é apenas mais um episódio de uma campanha de difamação que vem sendo orquestrada contra Ciro por diferentes veículos, a qual mostra evidentes sinais de sincronização.

Enquanto outros candidatos são réus em processos que envolvem acusações de corrupção, não há nenhum processo desse tipo contra Ciro. O que há são somente ações impetradas por seus adversários políticos, muitos deles notórios corruptos, em reação às opiniões manifestadas por Ciro em diferentes episódios nos últimos anos. Esses processos refletem uma clara tendência de judicialização da política contra um hoje cidadão comum que não se esconde no manto da imunidade parlamentar.

As evidências estão à vista para qualquer um que se dispuser a consultar os processos em tramitação contra ele. No Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), por exemplo, encontra-se a ação penal que trata de queixa-crime oferecida por Michel Temer pela suposta prática dos crimes de calúnia, difamação e injúria. Esse processo foi motivado pela declaração, feita por Ciro em programa televisivo, de que Temer seria o “capitão do golpe” instalado no país a partir do impeachment de Dilma Rousseff.

No Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE), onde se encontra a maioria das ações contra Ciro, a situação não é diferente no que diz respeito à natureza dos processos. O que há são dezenas de denúncias contra manifestações de Ciro em diferentes episódios recentes. O campeão de processos por dano moral, calúnia e difamação é o senador Eunício Oliveira (MDB-CE), grande adversário político de Ciro Gomes no Ceará. As ações do senador contra Ciro na justiça cearense chegam a quase quatro dezenas.

Há também ações impetradas por Jair Bolsonaro (PSL-RJ), que o processou por calúnia e injúria após Ciro ter comentado sobre uma doação de R$ 200 mil feita pela JBS ao Partido Progressista (PP), então legenda de Bolsonaro. Outro adversário político que aparece no rol dos denunciantes é João Doria (PSDB-SP), que ofereceu queixa-crime contra Ciro após este tê-lo chamado de “farsante” em entrevistas.

Outro dos processos no TJCE contra Ciro é a queixa-crime oferecida pelo Capitão Wagner (PR-CE), também seu adversário político no Ceará. O motivo da ação foi a alegação realizada por Ciro de que o deputado teria envolvimento com as milícias no Estado.

Em resumo, as alegações contra Ciro são apenas parte de uma campanha difamatória que pretende encobrir a natureza real das ações judiciais que existem contra ele, que são completamente motivadas por suas opiniões. Não pesa sobre ele denúncia alguma de corrupção ou malfeito. Trata-se somente de uma onda de processos, movidos principalmente por adversários políticos, contra um homem público que fala o que pensa sobre outros homens públicos. A mesma trajetória livre de denúncias e escândalos na vida pública não pode ser encontrada, no entanto, em muitos de seus adversários.

Deixe uma resposta