GUSTAVO CASTAÑON: A fake news do 247 contra Mangabeira e Ciro

É difícil hoje alguém se surpreender com a falta de compromisso jornalístico em tempo de fake news, mas o blog 247 realmente ontem se superou no teatro de absurdo.

Certamente obedecendo a alguma ordem vinda da burocracia petista para retomar a artilharia contra Ciro, o 247 pegou um artigo de 2018 de Nassif, que distorcia entrevistas de Mangabeira e já foi respondido por mim, o distorceu mais ainda e publicou como se fosse notícia de 2020.

Tive a oportunidade de conversar hoje com o Professor Mangabeira, como fazemos usualmente, e ele espontaneamente se manifestou sobre a pantomima de forma indignada. As palavras usadas por ele foram “distorções desonestas e perversas”, “nojento” e “desesperados”.
De fato, foi um senhor recibo lavrado em cartório do desespero do PT com a perda do protagonismo político no Brasil e seu progressivo isolamento.

GUSTAVO CASTAÑON A fake news do 247 contra Mangabeira e Ciro

Hoje no PT o clima é de preocupação. Seja nos partidos no momento de montar palanques municipais, seja nas redes sociais, eles sentem o peso de sua radioatividade e da ascensão da força de Ciro. Já não bastasse o recibo que passaram com a nova frente de centro-esquerda formada por PDT-PSB-Rede-PV, e com a aproximação de Ciro com o Centrão, agora parece que uma retroescavadeira passou pela cabeça deles.

A ação de Cid, que pela graça de Deus não resultou na perda de sua vida, colocou o limite de resistência física que é necessário para barrar o avanço do bolsonarismo frente às instituições e o Estado de Direito.

Já a suposta força política de Lula, parece que se dissipou com sua soltura, que esvaziou a única tese em que o PT baseava sua ação, o que, de resto, eu já havia previsto que deveria acontecer. Sua liberdade, ao invés de levantar a oposição, só serviu para ajudar a estancar a dissolução da popularidade do governo Bolsonaro.

Então volta o 247 com a armação de Lula nos últimos dois dias antes do prazo de registro de chapas.

É evidente que naquela altura nenhuma aliança seria mais possível, era só o último movimento fraudulento de Lula que, depois de esfacelar a esquerda, ainda queria que a culpa desse esfacelamento caísse sobre os ombros de Ciro para a militância petista mais ignorante e fanatizada.

O convite de Lula nas últimas 48 horas antes do registro não passou de uma construção de narrativa necessária para preservar sua imagem.

E hoje o 247 retoma a ridícula estória com mais uma fake news.

Eles continuam sem decidir que imagem querem projetar de Ciro. Se dizem que ele se negou a participar da farsa que teria o eleito presidente, estão reconhecendo que Ciro não é o “oportunista” e “egocêntrico” que acusam ele de ser. Então, para manter a história de Lula, precisam o acusar de “ressentido” e “arrogante”.

Mas é evidente que a proposta não era séria e que não havia confiança alguma para resolver uma situação dessas em 48 horas, ainda mais depois de meses de sabotagem de Lula contra Ciro, nos quais ele se recusou inclusive a receber Lupi e Ciro na cadeia.

As razões que Ciro teve para recusar sequer conversar sobre a proposta de última hora foram várias e já expus em artigo na época em resposta a Nassif:

1) A Proposta não era nada mais que uma armadilha de Lula para jogar a culpa do racha da esquerda em Ciro, depois que ele, da cadeia, tirou o PSB da aliança e deu seu tempo de TV para a direita destruindo ainda as candidaturas de Lacerda e Arraes.

2) Ser vice de Lula seria abonar a fraude do PT e participar de um ardil com o povo brasileiro, porque Lula não era de fato candidato;

3) Seria se submeter simbolicamente a um preso condenado, o que inviabilizaria a autoridade moral de um eventual futuro presidente;

4) Havia ameaça de a justiça eleitoral impugnar não Lula, mas a própria candidatura do PT, como alguns devem se lembrar. Neste caso, com toda a centro-esquerda no mesmo barco, a eleição estaria finalizada;

5) Ao se colocar na chapa do PT, Ciro perderia qualquer controle sobre a campanha e se comprometeria juridicamente com o que havia sido feito até então e com as formas de arrecadação e financiamento do partido, colocando seu destino político nas mãos de pessoas como Gleisi Hoffmann e Sérgio Gabrielli e podendo ficar, por consequência, inelegível por oito anos;

6) Quando viesse a impugnação de Lula, a definição de Ciro como candidato da aliança estaria nas mãos do diretório nacional do PT, problema que poderia ser minimizado com um acordo público, mas jamais eliminado. Poderiam utilizar qualquer declaração crítica de Ciro como desculpa para trair o acordo, e o histórico do PT não recomenda qualquer confiança;

7) Ao se submeter à condição de vice-fake, não só seria impedido de participar dos debates enquanto a candidatura não fosse julgada – o que nesse caso poderia ter se arrastado até a última semana;

8) Perderia a condição de ser visto como uma alternativa de poder para o centro e se tornaria o candidato do PT;

9) Sofreria grave dano de imagem em se submeter ao PT depois de tudo o que esse partido fez não só no governo, mas com ele próprio dias antes;

10) Como vassalo de Lula, se tornaria definitivamente refém da agenda personalista lulista e do debate em torno de Lula e do PT, tirando-lhe as condições políticas, inclusive controle sobre seu próprio tempo de TV, para debater a questão nacional e apresentar projeto alternativo ao petismo;

Mesmo sabendo que naquele momento a derrota seria o desenlace mais provável, Ciro decidiu enfrentar as gigantescas máquinas de Alckmin, de Bolsonaro e do PT para levar ao Brasil um discurso próprio, um projeto novo e uma alternativa para a esquerda e o país.

Ele sabia que, mesmo perdendo, o Brasil precisava daquilo.

E mais uma vez em sua vida, provou que seu desejo de ser presidente não está acima de tudo.

Ciro não se vendeu ao PT ou a Lula, nem acredita que de fato em algum momento pensaram na possibilidade de apoiá-lo de fato, somente na de matá-lo como líder de um campo alternativo ao petismo que renascia. Seria uma loucura participar de mais uma farsa de Lula.

Isso sim, é desprendimento, e não a ânsia de Haddad para se agarrar a possibilidade de ressuscitar sua carreira mesmo sabendo que não tinha qualquer chance de vencer no segundo turno.

A mentira tem perna curta, mas o PT não aprende isso. Não aprendeu em 2018, não aprendeu ainda hoje, e na minha opinião não aprenderá nunca.

4 Comentários

  • Ciro é meu candidato… Ciro mereceu a benção de LULA para a presidênciaaa… Precisamos debater o projeto nacionalista de CIROOO… Ciro fiel de luladilmaaa… exemplo e currículo.. ESPERO q melhore o temperamento, continuando com a conversa FRANCA… mas não fale de LULA q vc TENTA DESDENHAR… mais armação de LULA??? Lula, o comedor de calango ao PLANALTO com sucesso no PLANETAAA… e no BRASIL quase 100% no final de sua SEGUNDA gestão!!!… HORA E VEZ DE CIROOOOO com benção de LULA e PT… e discordo do pt se isolandooo… o contráriooo… tá aberto pra frente AMPLAAA… q poderia ser baseado no PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DE CIROOO…

    1

    8

  • Adriana, a crítica de apresentada neste artigo é importante e bem vinda, como não falar desse comportamento dos blogs e sites atrelados ao PT? Diferentemente de outras vertentes. Por padrão, o trabalhismo e aqueles que enxergam nas conquistas e esforços de Getúlio Vargas, Brizola, Ciro Gomes, dentre tantos outros, não se acovarda e enfrenta, para que a militância hoje atrelada a Ciro Gomes pare de criticar o PT, é impossível, mas poderíamos ter tréguas, desde que não sejamos provocados. Essa frente ampla que o PT vez ou outra solta, é a mesma que soterrou Manuela D’Ávila debaixo das asas de Haddad e do PT em 2018… Não passa de armadilha há menos que o PT comece a falar abertamente em concessões e garantias.

    3

    0

  • O que representa a aliança de Ciro com o Centrão? Qual é o ganho do PDT se aliar ao DEM, no Nordeste, para desbancar o PT? Quem será engolido. Faça suas apostas….

    0

    0

Deixe uma resposta