CHRISTIAN LYNCH: O governo Bolsonaro – Os próximos dois anos

O governo passou da sua segunda metade e já é possível a essa altura tentar fazer um prognóstico sobre o que está por vir. Já estamos formalmente na segunda metade do mandato e já está visivelmente “governando” há mais de seis meses. Já pode ser julgado por seu comportamento, seu pessoal e seus resultados. Isso é fundamental, porque a essa altura tanto opositores como apoiadores já cristalizam suas expectativas a respeito do que o governo Bolsonaro pode ou não pode ser ou fazer, ou até onde pode chegar. Em outras palavras, o governo já queimou madeira suficiente para ser avaliado.

Pessoalmente, acho que não há mais qualquer possibilidade de êxito para Bolsonaro. No plano externo, Trump foi derrotado e a ala americana da Internacional Fascista entra em eclipse. No plano interno, a política populista de mentira e intimidação fracassou, derrotada pela incompetência administrativa no campo da economia e no campo da saúde. E ele não tem mais nenhuma carta na manga. O governo já disse ao que veio, e todo mundo já sabe que dele não sairá mais nada do que já não tenha saído. Mais do mesmo, porque não é um governo perfectível, capaz de se reinventar. Ao contrário do que imaginavam seus apoiadores, o Governo Bolsonaro não é o de um leão poderoso e com visões de grandeza; mas o de uma mula ordinária, teimosa e sem imaginação, que vive de dar coices.

O governo já disse ao que veio e, sendo insuscetível de um melhoria, já se sabe como será até o final. Nas relações internacionais, o que espera o Brasil é terminar de ser cercado com um cordão sanitário, como o Irã e a Venezuela. Que pode ser interpretado também com a camisa de força que o mundo coloca em um país que perdeu o juízo. Na política interna, onde a competência e a criatividade são penalizadas com demissão sumária, continuará o mesmo jogo dos impotentes capachos ministeriais. Não haverá cavalo de pau na economia, nem privatização de nada expressivo. Paulo Guedes entrará para a história como o maior eunuco do neoliberalismo brasileiro. Não haverá qualquer política que preste na educação, na cultura, muito menos na saúde, que continuarão definhando. Será só o jogo de bajular os mesmos nichos: policiais militares, pastores evangélicos, exportadores de armas etc. E nada aprovar substantivo no congresso.

Não há mais expectativas de que o governo deixe de ser o que é. O jogo está jogado. Ele não vai existir: vai apenas durar. Os próximos seis meses serão muito difíceis para Bolsonaro, que não consegue ser senão o que sempre foi, nem pode se escudar nos militares para acalentar a esperança de um governo eficiente. Agora será a luta do governo para sobreviver, usando as mesmas técnicas tradicionais de intimidação, bravata e mentira. Com o agravante de que o blefe do “truque do golpe” funcione, e menos ainda com sua trupe de 30 doidos fazendo desfiles fascistas de tocha na praça dos três poderes. O desgaste da política epidemiológica também tem sido imenso junto aos setores militares. Quem ainda pensava em bancar uma aventura com Bolsonaro conta o STF desistiu. Melhorias, só por fatores ocasionais ou circunstanciais, alheios ao governo.

Em suma, o governo acabou. Não há nada a esperar, “senão escravidão e horrores” (José Bonifácio). O custo da violência, a corrupção parlamentar com o Centrão e o comprometimento do Mourão com esse projeto de destruição podem até impedir a concretização do impeachment. Mas o governo acabou como acabou o governo Temer depois do escândalo da JBS. Mas a reeleição já era. Todo o PIB vai ficar contra ele, e a imprensa tradicional e os partidos já aprenderam a usar Twitter e Whatsapp. Os canais que lhe dão suporte, emissores da rádio, provavelmente vão recuar aos poucos. Vão ficar os fanáticos e aqueles cuja existência depende daquela da família Bolsonaro, como deputados fascistas, ligados à defesa de interesses de policiais, e líderes pentecostais envolvidos até o pescoço com o projeto de uma república evangélica.

Quem chegar no segundo turno contra ele, com discurso moderado de centro direita ou esquerda, leva: Ciro, Jereissati, Huck etc. Moro nunca quis presidência; quis sempre o STF e vai apoiar quem estiver lá, junto com Mandetta, os militares escorraçados, como Santos Cruz, etc. O valentão será moído na porrada no pátio da escola por todos aqueles em que passou o ano batendo. Bem feito.

Por: Christian Edward Cyril Lynch.

O governo passou da sua segunda metade e já é possível a essa altura tentar fazer um prognóstico sobre o que está por vir. Já estamos formalmente na segunda metade do mandato e já está visivelmente "governando" há mais de seis meses. Já pode ser julgado por seu comportamento, seu pessoal e seus resultados. Isso é fundamental, porque a essa altura tanto opositores como apoiadores já cristalizam suas expectativas a respeito do que o governo Bolsonaro pode ou não pode ser ou fazer, ou até onde pode chegar. Em outras palavras, o governo já queimou madeira suficiente para ser avaliado.

3 Comentários

  • Boa tarde, nunca li tanta besteira, comentários sem qualquer relevância política, pobre opinião.

    0

    0

  • Boa tarde, nunca li tanta besteira, comentários sem qualquer relevância política, pobre opinião. Não sei porque ainda perco tempo lendo isso.

    0

    0

Deixe uma resposta