JONES MANOEL: Obrigado, comandante Chávez

Hoje é aniversário do maior revolucionário do século XXI na América Latina até o momento, o camarada Hugo Chávez. A trajetória de Chávez é incrível para pensar a luta popular e os caminhos do marxismo na América Latina. Militar nacionalista com fortes tendências anticomunistas, Chávez inicialmente concebia seu projeto como um resgate da nação. Como nacionalista sincero, sabia que não existe nação forte com o povo morrendo de fome, analfabeto, sem saúde, cultura, emprego etc. Pensava um projeto de nação com todo povo, incluindo a burguesia nacional.

Rapidamente descobriu que a burguesia do seu país é antinacional, antipopular e antidemocrática. Ela é associada, dependente e subordinada ao imperialismo. Odeia o povo, sua história, cultura e raça. Sonha com viver de renda em Miami e tem nojo da pele escura do exército de famintos que a cerca. Chávez foi percebendo que o nacionalismo é pouco; bem pouco. Rapidamente, seu nacionalismo foi cada vez mais se radicalizando, tomando ares populares, democrático-radical. Mas essa democracia radical e popular ainda não era suficiente. Atento leitor de marxistas como Mariátegui, Mészáros, Fidel e Che Guevara, Chávez passou a falar de socialismo. Seu anti-imperialismo foi se avermelhando.

Quando morreu, Chávez falava de “Estado comunal”, planificação econômica, poder popular, controle operário na produção. Já não tinha mais ilusões ou esperanças com a burguesia do seu país. Embora seja possível achar várias frases de Chávez criticando o marxismo-leninismo, as últimas formulações do comandante têm clara inspiração leninista.

Chávez, assim como vários outros líderes do Terceiro Mundo, como Fanon, Mao e Ho Chin Min, descobriu que não existe desenvolvimento com a burguesia, mas contra a burguesia. E mesmo quando a burguesia for usada para desenvolver as forças produtivas, nenhum poder político desse ser concedido a esses parasitas antinacionais. A expropriação política, como diria Mao, deve ir até o fim. Chávez é o homem responsável por liderar um processo político que reabilitou a palavra revolução depois da longa noite neoliberal.

Chávez era um dos nossos. Não teve tempo de continuar sua evolução teórica e política. Quem fala que ele era apenas um líder nacionalista burguês não entendeu nada do marxismo e da América Latina.

Obrigado, comandante. Seu legado vive.

Viva Bolívar!
Viva Chávez!

5 Comentários

  • Esses comunistas podiam aprender o idioma local do país que tanto admiram e se mandar pra lá!

    0

    2

  • Como tem alguém que pode escrever uma asneira dessas. Só pode ser inbecil. Vamos aos resultados . O que a Venezuela é hoje. Fim de papo. Inbecil

    0

    2

  • Viva A Construção de Uma Nova Sociedade e que bom que Chavez plantou uma sementinha dessa Sociedade para podermos dar continuidade!

    0

    0

  • Venezuela, exemplo, modelo de democracia, igualdade, riqueza. Tem de tudo, o povo está feliz, ninguém quer imigrar. Senhor Jones, vá morar em Caracas, deixe o Brasil, vá para Cuba, infeliz. Você está correndo o risco de ser processado pelo Procon por fazer propaganda falsa.

    0

    1

  • Lendo essas respostas eu me pergunto quantos séculos vai demorar até as pessoas acordarem.
    O Brasil (refletindo o resto do mundo, inclusive países ditos civilizados) é uma sociedade de zumbis, que repetem lixo recebido de WhatsApp e são absolutamente incapazes de raciocinar e construir qualquer opinião própria, já que esta demandaria estudo e reflexão.
    Alguns desses zumbis ignoram o principal causador da atual crise na Venezuela: a política externa estadunidense. Os EUA fazem o mesmo de sempre… praticam terrorismo e buscam levar a economia venezuelana ao colapso com suas sanções criminosas. Também é assim no Irã, na Síria, na Turquia… e na Coreia do Norte e Cuba há décadas. No entanto a mídia OTAN, aproveitando-se de mentes tão limitadas e imbecilizadas por anos e anos de lixo cultural e alienação mental ainda consegue transformar o herói em vilão e vice-versa.
    Até quando?

    0

    0

Deixe uma resposta