PDT indica apoio ao PSB de Márcio França em São Paulo, e espera apoio a Ciro Gomes

A convenção estadual do PDT de São Paulo ocorreu nesta quinta-feira, 26 de julho, no auditório Franco Montoro na Assembleia Legislativa, região do Ibirapuera. O evento foi presidido pelo presidente nacional do partido, Carlos Lupi, que também preside o diretório estadual.

O PDT apresentou candidatos a deputados estaduais e federais, com forte presença de mulheres, sindicalistas, lideranças regionais e jovens. Entre os jovens, Tábata Amaral, liderança dos movimentos Acredito e Mapa Educação, e colunista da Rádio CBN, será candidata a deputada federal. Como postulantes a uma vaga na Assembleia Legislativa aparecem Gabriel Cassiano, estudante de economia e presidente municipal da juventude do PDT; e Malu Molina, ativista feminista.

A convenção foi marcada pelo discurso de aproximação do PDT com o PSB. O partido, que tem a candidatura presidencial de Ciro Gomes como prioridade absoluta, aprovou um indicativo de apoio à reeleição do governador Márcio França, que compareceu ao evento.

Convenção Estadual do PDT em São Paulo com Márcio França e Ciro Gomes

O governador fez um discurso sobre conciliação e valorização da política, contra os discursos de ódio e a polarização PT-PSDB que domina a política brasileira há décadas. Márcio França falou de sua trajetória no PSB sempre em aliança com o PDT, e inclusive de sua boa relação pessoal com Ciro Gomes, que já foi seu companheiro de partido no PSB e colega na Câmara dos Deputados.

Defendeu também sua gestão, que, segundo ele, ainda que curta, alterou a relação do governo com os servidores públicos, com os sindicatos e com a população. E não deixou de criticar, sem citar, seu principal oponente João Doria, por fazer uma campanha de medo e preconceituosa, e ter abandonado a prefeitura de São Paulo.

Candidato a presidência, Ciro Gomes fez um discurso inflamado para os filiados do PDT em São Paulo. Além do seu habitual e empolgado discurso nacionalista e desenvolvimentista, fez um apelo também à valorização da política.

Atacou João Doria por seu discurso anti-política e hipócrita, devido a seu envolvimento em escândalos de corrupção desde os anos 1980 na Embratur, empresa estatal de turismo, e as atividades de sua empresa que organiza lobby do setor privado com o Estado. Lembrou ainda que o candidato a governador pelo PSDB abandonou a prefeitura de São Paulo, e convocou seu partido a apoiar Márcio França ao governo de São Paulo.

Ciro também falou contra a polarização entre PT-PSDB, dizendo que a estabilização monetária e a discreta distribuição de renda reinvindicadas pelos dois partidos não foram suficientes para o desenvolvimento e o bem estar do Brasil.

convenção estadual do PDT de São Paulo com Márcio França e Ciro Gomes

Em entrevista coletiva na saída do evento, Ciro foi questionado sobre sua fala recente de que Lula só sairia da prisão com sua vitória, e respondeu afirmando que a liberdade de Lula depende do reestabelecimento do Estado Democrático de Direito no Brasil.

Deixe uma resposta