GILBERTO MARINGONI: Na história oficial petista, o ajuste de Dilma não existiu

A entrevista de Lula, na sexta, representa uma vitória democrática significativa. O maior líder popular dos anos recentes está em grande forma e segue dono de inteligência política invejável. A comparação com o muar que nos governa é cruel para este.

Mas há problemas do lado de cá. A conversa do ex-presidente reafirma algo já presente nas peças de propaganda da campanha presidencial passada. Embora cite a ex-presidenta Dilma Rousseff 12 vezes em 114 minutos de conversa, as menções são superficiais.

LULA SE REFERE COM MAIS VAGAR à sucessora em duas oportunidades. A primeira é para jogar em seu colo a opção por não regulamentar a mídia. O ex-presidente lembra da I Conferência Nacional de Comunicação, em 2009, e afirma: “Em junho de 2010, nós preparamos uma regulamentação dos meios de comunicação. Ao invés de dar entrada no Congresso, porque iria ter eleição, eu pensei ‘não, vou deixar para o novo Governo’. A razão pela qual a Dilma não entrou, não sei”.

A segunda menção se dá quando perguntado sobre Antonio Palocci. Lula conta ter dispensado os serviços do ex-ministro em 2005, após o escândalo do caseiro. Lembrado de que o seu antigo auxiliar voltara como homem forte na campanha de 2010 – juntamente com José Eduardo Cardozo e José Eduardo Dutra -, Lula joga novamente a responsabilidade para a mandatária: “Certamente a Dilma admirava o trabalho dos três porque fizeram ela ganhar as eleições”.

NA CAMPANHA PRESIDENCIAL de 2018, Dilma Rousseff praticamente sumiu da propaganda petista. O partido jamais avaliou seriamente seus 63 meses e meio à testa do Planalto.

Dilma promoveu “o maior ajuste fiscal” da História do Brasil no início de seu segundo mandato, como enchia a boca para dizer. Fez isso, sabendo que a economia mundial se desacelerava e que sérias turbulências atingiam o país desde o primeiro semestre de 2014.

O resultado do ajuste foi a maior depressão que tivemos desde 1900. O PIB encolheu quase oito por cento, entre 2015-16 e o desemprego duplicou entre dezembro de 2014 e março de 2016.. O mergulho sem fim que vivemos – e que deu argumentos para o avanço da direita e da extrema-direita – é seu legado mais marcante.

AVALIAR AS RESPONSABILIDADES da presidenta e de dirigentes partidários no desastre não deve ser tarefa fácil. Foram opções racionais e não erros cometidos. Ninguém chama um banqueiro, como Joaquim Levy, para promover desenvolvimento e distribuição de renda.

Saber os motivos da opção recessiva é algo de vital importância para que tais iniciativas não se repitam e para que o maior partido de oposição consiga sair do casulo tático em que se meteu. Diante das cobranças inevitáveis que é submetido, o PT tem se valido do comportamento de avestruz. Muda de assunto, grita Lula Livre! e se mostra incapaz de organizar uma ação oposicionista ampla e consistente, mesmo contando com 57 deputados federais (a maior bancada) e quatro governadores.

Lula livre! Mas como parte e não centro de uma jornada que deve estar baseada nos sofrimentos e demandas de nosso povo por emprego, salário e renda. Coisas que foram seriamente abaladas pela trombada recessiva de quatro anos atrás.

Não adianta retocar as fotos. Decisões desastrosas geraram consequências sem expectativa de reversão.

Por Gilberto Maringoni

Deixe uma resposta