GILBERTO MARINGONI: Bolsonaro e Guedes pregam a solução final

A barbaridade externada por Paulo Guedes em Washington tem toda lógica nos dias que correm. Não se trata apenas de uma viúva de Pinochet quem fala. Trata-se de uma declaração de guerra. Ela está intimamente ligada ao projeto ultraliberal de segunda onda.

As marcas essenciais dessa segunda onda são:

  1. É muito mais agressiva que a primeira, nos anos 1990. Ali ainda havia alguma hipocrisia ao se dizer que privatizações e entregas de ativos estatais tinham por objetivo aumentar a eficiência dos serviços públicos e que o dinheiro arrecadado iria para Saúde e Educação. Agora, a entrega é total, incluindo Saúde e Educação, além de petróleo, saneamento, Casa da Moeda etc. Tudo é liquidável.
  2. Por sua agressividade e gravíssimas consequências sociais, a nova onda precisa eliminar a democracia. O descontentamento é subversivo. A busca pelo lucro não se importa em financiar uma máquina de moer carne humana. A segunda onda necessita de repressão aberta, com licença para matar, uso de milícias e leis restritivas. Movimento social é classificado como terrorista e pode ser eliminado sem dó.

Para que a segunda onda se implantasse foi essencial dinamitar a economia nacional e aumentar absurdamente o desemprego. Instaurou-se o pânico entre as pessoas e buscou-se quebrar a resistência dos de baixo. Esse foi o fertilizante para o avanço da extrema-direita.

Mas ainda há tempo. A América Latina nos mostra isso. Bolsonaro tem de ser detido. Temos um genocida em potencial no terceiro andar do Planalto cercado por uma quadrilha de psicopatas fascistas.

Por Gilberto Maringoni

 

Deixe uma resposta