GILBERTO MARINGONI: Boulos e a ofensiva da razão na CNN

Debate a menos de 24 horas depois da abertura das urnas, ao fim de um processo tenso e exaustivo, é coisa massacrante para qualquer candidato. Organizar ideias de bate-pronto, preparar argumentos e dados para uma dinâmica inexistente no primeiro turno, ser claro, falar para o eleitor em casa e não para o oponente à sua frente e mostrar segurança é arte das mais refinadas. Guilherme Boulos na CNN fez isso e mais, num debate em que entrou em aparente desvantagem.

Covas tem 33% e ele 20%. Tudo o que o tucano quer é congelar o resultado momentaneamente favorável. Ele também deve estar se recuperando de uma surpresa. Certamente esperava liquidar a fatura no primeiro turno.

Nessa contradição – a diferença de votos em contraste a uma expectativa frustrada – está a chave da tática desses poucos dias paulistanos. Boulos busca se mover rápido para tirar o oponente de sua preferência inicial.

Foi o que o candidato do PSOL fez com competência neste primeiro enfrentamento. Esbanjou mercadoria em falta no ambiente político nacional: racionalidade. Colocou Covas contra a parede em três ou quatro situações. Mostrou que tem projeto.

Daqui até o dia 27, há mais oito encontros desse tipo. Mais massacre. Nada a reclamar: há uma demanda reprimida por embates desse tipo. Os monopólios da mídia os evitaram até a votação, na tentativa de favorecer quem já largou na frente. Inútil. Boulos acelerou o passo e chegou junto.

Agora é seguir o desmonte de Covas, suas ligações com o mundo das empreiteiras, dos interesses privatistas, das acusações de corrupção e superfaturamento que pairam sobre seu vice e da cidade antipobre que marca as gestões do PSDB.

O problema é o tempo. Estamos em plena vertigem de uma decisão de campeonato.

GILBERTO MARINGONI Boulos e a ofensiva da razão na CNN boulos na cnn

1 Comentário

Deixe uma resposta