GILBERTO MARINGONI: Ampliar sem perder a radicalidade

Cristina Kirchner é a grande vitoriosa do dia. Sua tática de evitar personalismos estéreis faz com que as eleições argentinas se pautem por uma ampla crítica à política ultraliberal de Macri. É o caminho da ofensiva.

Caso tivesse insistido em encabeçar a chapa peronista, provavelmente a agenda seria inversa e a direita forçaria um plebiscito sobre os anos K. Teríamos um cenário mais difícil para a oposição.

A hábil movimentação é oposta à tática adotada pelo PT em 2018. Ao colocar o “volta Lula” e o vitimismo como centro da campanha, a agremiação deu um presente aos adversários. A extrema-direita transformou a eleição num julgamento sobre o ciclo petista – e a indefensável gestão Dilma II – e deixou a hecatombe do governo Temer – e sua associação com a extrema-direita – fora do escrutínio popular.

O resultado é conhecido. E deve ter sido analisado em detalhes pelo peronismo.

Por Gilberto Maringoni.

Deixe uma resposta