NILDO OURIQUES: A moral é a impotência em ação

Essa tirada é do Marx. Lição antiga, portanto. Ocorre que entre nós a maior parte da “crítica” ao proto fascista é precisamente de ordem moral ou o alvo são quinquilharias como a mais recente, aquela relativa ao leite condensado.

Ora, nessas circunstâncias, recordar o elementar é decisivo. O economista burguês remeterá a questão para um debate de natureza ética (na verdade um moralismo barato que logo renderá um programa especial na CNN ou na Globo). O bordão já está no jornalão burguês: “não podemos privilegiar quem pode pagar”…

Afinal, num país subdesenvolvido e dependente como o Brasil, o que não é privilégio de classe? A boa educação? O acesso a cultura? O saneamento básico? A chamada segurança pública? O “direito” ao trabalho? A garantia da aposentaria?

Por que, afinal, a desigualdade de classe que tudo organiza pouparia o acesso a vacina?

Não há possibilidade de garantir “direitos” sociais nos limites da ordem que nos oprime. Eis a razão pela qual teorizar e atuar em favor da Revolução Brasileira é o único caminho.

1 Comentário

  • PQP!!!! Uma compra de mais de 1 bilhão é tratada aqui como “quinquilharia”!!! Bando de bolsoneca disfarçado!

    1

    1

Deixe uma resposta