Olavo de Carvalho, o homem que sozinho pode derrubar Bolsonaro

Circulou nas redes e viralizou no Brasil um vídeo em que Olavo de Carvalho tecia duras críticas ao presidente Bolsonaro acusando-o de traição, a ala militar e a alguns empresários que financiaram, de forma ilegal, a campanha que levou o espantalho “hitlherzinho tropical” a presidência da república.

Em primeiro lugar gostaria de ressaltar a inteligência fora do comum de Olavo de Carvalho.

Quem conseguiu fazer o que ele fez, de forma maquiavélica, no entanto, visionária, utilizando ferramentas (redes sociais, até então desconhecidas pela esquerda brasileira), conceitos teóricos abstratos e conspiratórios, com um linguajar moralmente inadequado para academia, mas com grande absorção das massas, através de um propósito, com metas e ideias para construir uma “revolução cultural no Brasil”, não é qualquer idiota nem muito menos pouco instruído ou mentalmente inabilitado, vulgo louco.

Só para registrar, alguns números que constatam empiricamente minha avaliação, o seu livro, publicado pela editora Record (NÃO! Não há nenhuma coincidência aqui), “O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota” vendeu aproximadamente 400 mil exemplares só no Brasil e orientou, a partir do “sui generis” plano de implementação do “Marxismo Cultural” em território tupiniquim, iniciado por FHC e exponencializado pelos governos do PT, uma legião de influenciadores digitais que conseguiram alcançar números de extrema relevância em relação aos inscritos, adeptos e visualizações por cada conteúdo postado.

Não vou nomear aqui quem são os infelizes.

Nã há também nenhum problema em reconhecer a grandeza e o conteúdo de seu inimigo. Isso é pilar para qualquer disputa, e cito aqui um trecho do livro “A arte da Guerra”, de Sun Tzu, para referendar minha lógica:

“Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas.”

No mesmo dia em que esse vídeo “bombástico” viralizou, o gabinete do ódio, não o do Planalto, mas o da dita “ex-querda”, resgatou uma filmagem de Ciro Gomes para tentar desmoralizá-lo e jogá-lo para direita (com manchetes caluniosas dizendo que Ciro e Olavo trocavam afagos), onde o pedetista concedendo uma entrevista para o Twitter, responde um internauta e afirma categoricamente que já havia palestrado com o guru Bolsonarista em ambientes empresariais, que o respeitava por considera-lo uma pessoa que sabe muito bem ler cenários, conjunturas sociais e políticas e que, com certeza, toparia um debate com ele.

No mesmo vídeo Ciro frisou: ”discordo absolutamente de tudo o que ele fala”.

Bom, talvez esteja aí um excelente e promissor diagnóstico para entender as razões pelas quais o PT está perdendo todas as batalhas de 2015 pra cá.

Pararam de ler teses pertinentes e relevantes, perderam o conhecimento total de si mesmos e também demostram não conhecer um milímetro sequer dos seus adversários, o que os fazem sempre estarem passos atrás nas batalhas que travam.

Mas volto ao assunto que esse artigo quer de fato abordar.

O Brasil, literalmente, está nas mãos de marginais!

Olavo de Carvalho é o maior arquivo vivo da corrupção bolsonarista, nos formatos de milícias digitais e na disseminação de “Fake News” tanto durante o período eleitoral de 2018 quanto durante todo o governo de Jair Bolsonaro até agora.

Olavo de Carvalho, o homem que sozinho pode derrubar Bolsonaro gabriel cassiano tse fake news cassação chapa

O Palácio do Planalto sempre contou com consultorias e mecanismos sofisticados de “guerra híbrida” para desviar os focos das discussões políticas no Brasil, com a finalidade da manutenção de sua popularidade, enquanto impunha a nação uma agenda ultra liberal e de retirada de direitos dos trabalhadores.

Toda essa engenhosa arquitetura digital foi concebida por Steve Bannon que foi diretor da empresa “Cambridge Analytica”, diretor executivo da campanha de Donald Trump para presidência dos Estados Unidos em 2016 e, posteriormente, assumiu o cargo de estrategista chefe da Casa Branca.

Agora vamos lá! Quem fez a ponte de Steve Bannon com a família Bolsonaro? Olavo de Carvalho. Mesmo que tentem negar, essa é a amálgama que fundiu toda essa história.

Antes, um pequeno resumo da Cambridge Analytica e seus envolvimentos com movimentos ultra-reacionários no mundo.

O CÉREBRO: ALEKSANDR KOGAN,
Um jovem e pesquisador russo em psicologia e psicometria que desenvolveu, por meio de sua empresa Global Research Science (GSR), o aplicativo “thisisyourdigitallife” (esta é a sua vida digital), que propôs um teste de personalidade com perfis do Facebook.

A partir daí a empresa Cambridge Analytica, através de seu executivo Alexander Nix, comprou o sowftware de Kogan, fez algumas adaptações e passou a aplicar seu funcionamento para influenciar o voto de eleitores com mensagens personalizadas a partir da análise dos perfis de Facebook de cada indivíduo, utilizando na maioria das vezes, dados privados sem consentimento.

O Delator: CHRISTOPHER WYLIE

Interpretado pelo ator (Benedict Cumberbatch), no filme (Brexit: The Uncivil War), Dominic Cummings foi o marketeiro responsável pela campanha “Vote Leave”, pró-saída britânica da União Europeia.

Dominic contratou duas empresas, que segundo alguns relatos possuem intrínsecas relações, a AIQ (Aggregate IQ) e a Cambridge Analytica.

Christopher Wylie, que também atuava na linha de pesquisa de comportamento dos indivíduos e previsões de tendências, recebeu o convite de Alexander Nix, para trabalhar na CA e atuar na campanha pró-Brexit a partir dos algoritmos de análises dos perfis de Facebook de eleitores britânicos.

Após a campanha vitoriosa pela saída da Grã-Bretanha da União Europeia, Christopher Wylie, arrependido e sentindo-se culpado, fez uma grande denúncia (delação) ao Parlamento Britânico.

Segundo Christopher, de forma irregular e ilegal, a Cambridge Analytica teve informações de mais de 50 milhões de perfis de usuários do Facebook e recorrido a caixa 2 para fraudar o plebiscito realizado em 2016.

Christopher afirmou, em entrevista concedida à CBC, ter conhecido Steve Bannon, ex-conselheiro de Donald Trump, e Rebekah Mercer, filha de um bilionário que apoiou o presidente americano.

No entanto, Wylie disse que os métodos da Cambridge Analytica começaram a lhe parecer “problemáticos”, por isso decidiu fazer a denúncia.

Algo parecido aconteceu nos Estados Unidos em 2016.

Steve Bannon como já disse, foi diretor executivo da campanha de Donald Trump.

Ele utilizou dos mesmos mecanismos e do aporte da empresa Cambridge Analytica para também obter informações de usuários norte-americanos do Facebook, para poder encaminhar mensagens personalizas e com discursos certeiros, do ponto de vista do que os usuários estavam esperando ouvir de propagandas políticas.

Após todas as fraudes e investigações iniciadas nos Estados Unidos e no Reino Unido sobre os casos, que levaram até mesmo o presidente do Facebook (Mark Zuckerberg) a prestar depoimento na Justiça e que o mesmo afirmou que o número de usuários atingidos chegar a quase 90 milhões, a Cambridge Analytica, de origem britânica, decidiu encerrar suas operações tanto em UK quanto nos EUA.

Voltando ao Brasil.

Antes de contextualizar e formalizar minha interpretação do vídeo de Olavo de Carvalho, vou ponderar algo importante, para chancelar a existência do “gabinete do ódio” e sua relação com essa aliança corrupta internacional.

E aqui abro aspas pra reportagem da revista Veja, que revelou que o presidente Bolsonaro mantém uma estrutura paralela de investigação dentro do Palácio do Planalto:

“Um dos primeiros requisitos para ocupar um cargo no governo Bolsonaro é não ter fotos, mensagens nas redes sociais e nenhum registro de ligação com o PT ou com partidos de esquerda. O currículo do candidato, ainda que seja brilhante, só é analisado numa segunda etapa. A nomeação só será efetivada se não for constatado nenhum vínculo com legendas de oposição. Essa triagem, conforme VEJA revelou em sua atual edição, é chamada de “compliance” pela inteligência pessoal do presidente da República.

Um dos responsáveis por fazer esse pente-fino é o coronel do Exército Marcelo Costa Câmara. De uma sala no terceiro andar do Palácio do Planalto, a poucos metros do gabinete de Jair Bolsonaro, o militar cumpre missões de vasculhar a vida de indicados para cargos estratégicos no governo. O objetivo dessa devassa é evitar que ocorram sabotagens e escândalos de corrupção.

Como o presidente não confia na Agência Brasileira de Inteligência (Abin), porque acha que em seus quadros há pessoas ligadas ao PT, cabe ao coronel Câmara fazer um levantamento detalhado da vida pregressa de cada candidato.

No ano passado, o espião de Bolsonaro descobriu que um funcionário terceirizado da Casa Civil mantinha em seu “FACEBOOK” uma foto ao lado da ex-presidente Dilma Rousseff. O profissional acabou sendo demitido. Mais recentemente, coronel Câmara foi incumbido de bisbilhotar a vida das nomeações feitas pela então secretária de Cultura, Regina Duarte. O foco dessa missão era evitar que pessoas ligadas à esquerda ocupassem cargos relevantes na pasta.”

Como mostra a reportagem, o coronel Câmara, espião de Bolsonaro, obtém suas informações a partir do Facebook.

Será mera coincidência ou, como relatei até aqui, realmente existe algum tipo de ferramentaria remanescente dos algoritmos e softwares utilizados pela Cambridge Analytica e Steve Bannon para espiar perfis de Facebook nas mãos do setor paralelo de inteligência do presidente da república?

Eu confesso que tenho dificuldades de acreditar em coincidências.

Principalmente no momento em que estamos passando e, após Olavo de Carvalho divulgar um vídeo suspeitíssimo no final de semana que antecede as análises do TSE dos pedidos de Cassação da chapa Bolsonaro/Mourão.

O mais forte e mais consubstanciado é o do PDT, que será objeto de análise pelos membros da corte na semana que vem.

Espero que com esse texto consiga contribuir para essa investigação.

O “guru de Bolsonaro” falou algumas coisas essenciais, em estilo de passagem de recados, as quais destaco:

“Esse Bolsonaro o que fez pra me defender? Bosta nenhuma!”

“Se você não foi capaz de me defender dessa gente toda eu não quero a sua amizade. Eu fui seu amigo, mas você nunca foi meu amigo.”

“Você foi tão meu amigo quanto a “Pepa”(Joice Hasselmann), você só tira proveito e devolve o que?”

“Você (Bolsonaro) não é meu amigo não! Você só se aproveitou.”

“É que nem o Weintraub, dá uma condecoração.”

“ESSE PESSOAL NÃO CONSEGUE DERRUBAR O SEU GOVERNO, EU DERRUBO. CONTINUE INATIVO, CONTINUE COVARDE QUE EU DERRUBO ESSA MERDA DESSE SEU GOVERNO!” (Frase Principal)

“Aconselhados por generais covardes ou vendidos.”

Pelas falas de Olavo de Carvalho algumas coisas ficam implícitas e surgem suspeitas não esclarecidas, mas que se levantarmos todo o histórico, como esse artigo propõe, podemos chegar nos seguintes questionamentos:

1. Do que Bolsonaro tirou tanto proveito de Olavo a ponto do professor estar tão irritado com o fato do presidente não o defender da maneira como ele almeja?
2. Constatando a covardia e suposta negligência de Bolsonaro ao não defender seu guru, o que Olavo de Carvalho tem em mãos que faz ele afirmar de forma categórica e enfática que pode derrubar o governo do presidente da república?

Se você leu meu artigo até aqui, e juntar as peças do quebra cabeça, levando em consideração que o vídeo foi publicado no final de semana anterior ao início do julgamento dos pedidos de cassação da chapa Bolsonaro/Mourão, você poderá formular duas hipóteses:

1. Chantagem – Olavo de Carvalho tem em mãos todos os registros e documentos necessários para provar que a eleição de Bolsonaro, seguindo o Brexit e as eleições presidenciais norte-americanas, foram fraudadas por caixa 2 de grandes empresários para bancar “Fake News” de disparos em massa contra adversários políticos e levar mensagens personalizadas para eleitores com base na análise de seus perfis nas redes sociais e o que eles estavam mais demandando no discurso de um político. Supondo ele ter isso em mãos, ele pode caçar a chapa Bolsonaro/Mourão. Isso da ao professor um imenso poder de barganha e chantagem. Tanto que não passou um dia do episódio e Bolsonaro deu o aval aos seus amigos empresários, como Luciano Hang (Havan) entre outros, para darem dinheiro a Olavo para quitação de suas dívidas na justiça. (Olavo terá de indenizar Caetano Veloso em R$2.500.000,00)
2. Manutenção de seu núcleo ideológico no governo – Como sabemos, o núcleo militar, desde Santos-Cruz (legalista) até o Augusto Heleno (golpista) sempre foi contrário a presença de Olavo nas decisões do governo bem como de seu núcleo ideológico. Com a crise política se afunilando e a PF chegando cada vez mais próximo de seus filhos, Bolsonaro fez diversas movimentações para conter a sangria, aumentando ainda mais a presença de militares em seu governo. Como sabemos, dois ministros que ainda estão em atuação foram indicados por Olavo: Ernesto Araujo (Relações Exteriores) e Abraham Weintraub (Ministério da Educação). Mas no caso de Weintraub, após a divulgação da reunião ministerial, em que ele sugeriu a prisão de ministros do STF e profanou discursos de injúria racial e discriminação contra outros povos do mundo, ficou absolutamente insustentável a sua permanência no cargo. No vídeo é possível ver nitidamente que Olavo faz uma menção de Weintraub em relação ao presidente achar que dando uma condecoração para ele seria suficiente.

Com todos esses elementos é possível garantir que Olavo de Carvalho ainda quer manter sua influência no governo Bolsonaro, principalmente nas esferas que considera essenciais para continuar a “Revolução Cultural” e eliminar de uma vez por todas o suposto “Marxismo Cultural” enraizado na sociedade brasileira e disseminado pelo Globalismo capitaneado pela China.

Matar ele, como fizeram com o miliciano Adriano da Nóbrega, seria uma tarefa quase impossível, por duas razões objetivas: ele mora nos EUA e ficaria muito na cara a queima de arquivo.

Por isso, vão ter que continuar irrigando suas contas bancárias para evitar a queda do Governo Bolsonaro.

Tirem suas próprias conclusões…

Algumas fontes:

https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/02/bannon-anuncia-eduardo-bolsonaro-como-lider-sul-americano-de-movimento-de-ultradireita.shtml

https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,um-jantar-com-steve-bannon-e-olavo-de-carvalho,70002686785

https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/nos-cometemos-erros-diz-mark-zuckerberg-sobre-escandalo-do-facebook-com-cambridge-analytica.ghtml

https://epocanegocios.globo.com/Tecnologia/noticia/2018/03/epoca-negocios-campanha-do-brexit-e-acusada-de-uso-ilegal-de-dados-do-facebook-e-fraude.html

https://veja.abril.com.br/brasil/inteligencia-pessoal-de-bolsonaro-monitora-infiltrados-no-governo/

https://politica.estadao.com.br/blogs/coluna-do-estadao/bolsonaro-fica-entre-steve-bannon-e-olavo-de-carvalho-em-jantar-em-washington/

https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2020/06/07/interna_politica,1154657/bolsonaro-da-aval-a-vaquinha-de-empresarios-para-sossegar-olavo-de-c.shtml

https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,hang-pede-que-empresarios-deem-dinheiro-a-olavo-de-carvalho-para-continuar-lutando-pelo-brasil,70003327593?

https://veja.abril.com.br/blog/radar/ameacas-de-olavo-sao-ultima-cartada-de-weintraub-antes-da-saida/

1 Comentário

  • Cassiano. Confesso, Não li até o final e saltei alguns parágrafos. Mas fiz uma leitura rápida e vou simplificar inteligência no caso de Olavo de Carvalho, Bolsonaro e bolsonarismo e pego até a Ditadura Militar. E um passeio pelo rio Amazonas em época de cheia. Um engenheiro PHD conversa com o ribeirinho que o leva de um lado para a outra margem. Meu amigo você estuda? – Não senhor. Segue a conversa : Rapaz deveria estudar. Eu comecei cedo nas melhores escolas, falo fluentemente desde os oito anos inglês, francês, alemão, japonês. Fui pra Harvard com 16 anos, fiz pós, MBA, na Alemanha terminei meu PHD. Diz o ribeirinho: Realmente o Sr. é muito inteligente. Logo após o … inteligente uma galhada da árvore que vinha descendo o rio derruba a canoa e o gênio e ribeirinho caem na correnteza. Ainda de cabeça fora da água, vendo o ribeirinho as braçadas para a margem. Grita o engenheiro: Ô ribeirinho. Não sei nadar. Vou morrer afogado. Me ajude aqui! Olhando para trás. O ribeirinho responde: com tantas viagens, tanta sabedoria, não sobrou um tempo para o sr. aprender a nadar? Me desculpe, mas agora lutamos pela sobrevivência com o que temos. A inteligência é uma ferramenta diferente para cada ocasião e tempo. O correto seria dizer que Olavo de Carvalho usou de sabedoria para se aproveitar de um momento. É um tolo com uma sabedoria que teve boas oportunidades. E ainda não tentou atravessar o rio Amazonas de canoa. Mas vai chegar a vez dele. A Ditadura Militar já tinha sido o engenheiro. Bolsonaro se acha o engenheiro. E o povo é o ribeirinho. Partindo do mesmo ponto, viver um brasileiro assalariado, compondo família, 92 anos. Onde, por ex: um juiz que chega a ganhar no Brasil até 750 mil num mês 92 anos. Já representa para a percepção tempo de vida ,mais inteligência aos ribeirinho da vida. Há tá! Mas viveram os dois o mesmo tempo. É então você imagina um Fusca e uma Ferrari saindo do mesmo ponto de partida e chegando junto ao mesmo lugar como vantagens iguais? Se tão inteligente o engenheiro. Que tenha lido ele a arte da guerra. Porque não entrou na canoa, com salva vidas pelo menos? Onde vai chegar a inteligência de Olavo de Carvalho? Um Brasil melhor? A verdade mostra o contrário. O Brasil vem dia atrás de dias sendo figurado como um país de tolos. Aliás, pensando inteligência, as piadas do português burro. Lembra! Nós fazemos muito isso. Terá no mundo uma nova forma. Sai o português e entra o brasileiro. Pois, pensando inteligência. No mundo não há motivos para não entender que pelo voto trocamos o que era ruim (que tenho minhas dúvidas) por cousa muito pior. E a tal corrupção, ainda resiste nesse momento. E está aos poucos tomando a cara do que já existia na Ditadura Militar e contaminou os governos civis. Por civis e militares que viviam em conluio no governo de transitório. Inteligência de governo seria colocar o Brasil em evidência por pontos positivos. Ao contrário vamos ser rotulados como um povo ignorante, que vota mal, que não se une para o bem comum – bem para toda a sociedade, que tem as FFAAs e polícia auxiliar inútil ou comprometida, povo e Congresso Nacional não ligado a soberania e o risco de guerra, já que concedeu Alcântara por nada, nada feito até hoje aos EUA. Quando em todo mundo, as nações que tem uma base deles em seu território, espera que saiam para nunca mais voltar. Se essa é a inteligência e gênios que temos no Brasil. Então há de ser melhor a gravidade da terra puxar outro meteoro com impacto em Brasília sobrando um pouco para a cabeça de um certo brasileiro que se esconde nos EUA. Só enxergo tolos.

    0

    0

Deixe uma resposta