Um perfil psicológico do presidente Jair Bolsonaro

Não há personalidade mais fácil de ser analisada, mesmo por um leigo em Psicologia, do que Jair Bolsonaro. Como ensinaria Freud, a personalidade dele, como a de todo  mundo, se divide supostamente em três partes: id, ego e superego. O id é o lugar da libido primária, dos instintos sexuais básicos, dos desejos reprimidos, dos traumas, do ódio contido. O ego é a personalidade aparente, que se espera normal. E o superego é a parte da psique que deveria controlar o todo a partir da percepção das limitações impostas pela convivência social.

Bolsonaro, como qualquer um  pode reconhecer num relance, não tem superego. Seu ego funciona absolutamente livre, sob controle do id, ou seja, dos instintos básicos. É por isso que ele se move pelo ódio. Algum trauma muito profundo deve tê-lo acometido na infância, e a solução patológica, nesses casos, quando não existe em volta uma atmosfera sadia para neutralizar a causa do trauma psicológico, é o recalque. Assim como o instinto sexual selvagem, o trauma fica escondido até que apareça oportunidade para que aflore livremente.

Para Bolsonaro, essa oportunidade surgiu fazendo aflorar fortes sintomas de ódio incontrolado ainda quando  era deputado. Ninguém o levou a sério: foi tomado como um desajustado comum, que falava e gritava sem consequências. Indiferente a esses sinais patológicos, a maioria da sociedade o elegeu presidente. Agora, tendo à mão o poder da Presidência, Bolsonaro se acha no direito de fazer qualquer violência. É sua grande oportunidade de pôr para fora o id que traz dentro de si, gozando de total liberdade de ação.

A partir dessa indicação sumária é possível entender porque Bolsonaro insultou uma parlamentar no plenário da Câmara dizendo que ela não merecia ser estuprada. Condenado pela Justiça, teve que voltar atrás, mas se escondeu debaixo de uma desculpa: o motivo foi o calor das discussões. Entretanto, todos os que tiveram oportunidade de ouvir seus discursos sabem que aquele insulto refletiu exatamente o que ele pensa. Por razão de algum trauma, Bolsonaro é misógeno, homofóbico, preconceituoso contra nordestinos, rancoroso.

Exigido pelo id e sem controle do superego, o ego de Bolsonaro fala e age como se não tivesse restrições de forma alguma. Ele encara a Presidência como um patrimônio pessoal, não um encargo político. Com a maior cara de pau, diz em público que quer “beneficiar” o filho, sim, como se a Embaixada nos Estados Unidos pudesse ser uma espécie de presente de aniversário em família. Exprimindo os impulsos de morte do id, insulta governadores e o próprio Nordeste, ataca partidos, demite pela imprensa funcionários públicos corretos.

A personalidade fragmentada de Bolsonaro se reflete no seu discurso. Não tem uma fala contínua e fluente. Fala aos pedaços. É um típico tuiteiro que seria incapaz de escrever uma carta. Suas frases são entrecortadas e muitas vezes ficam inconclusas, forçando o interlocutor a complementá-las com o que, supostamente, é seu pensamento. Estão recheadas de clichês, indicando sua falta de preparo para um discurso lógico. Toda vez, por exemplo, que se refere aos Estados Unidos, justifica sua subserviência com a repetição da mesma frase: “É a maior potência econômica e militar do mundo”. A seu ver, isso justificaria nossa subserviência, inclusive a entrega do pré-sal.

O Brasil está em risco sob Bolsonaro. Peço aos psicanalistas que tem algum grau de responsabilidade pública a se pronunciarem sobre os indícios dessa personalidade doentia em termos profissionais. A nação está sendo governada por um id pervertido. O ego presidencial está sob controle dele. Ao contrário de mim, amador em estudos de doenças psíquicas, é preciso que alguém, ou um conjunto de médicos com autoridade nesse campo, faça um diagnóstico profissional a respeito da sanidade do presidente da República para as providências necessárias por parte das outras instituições da República.

18 Comentários

  • Ah quando admitiu no próprio texto ser amador para fazer a análise, acabou com o próprio texto, o desqualificou. Como que eu compartilho pra bolsominion ler? Perco a razão logo.

    0

    0

  • Dr. José Carlos de Assis, em primeiro lugar que cumprimenta-lo por sua ousadia e coragem na exposição, por sinal brilhante; pois, embora o senhor não seja versado nas ciências Psi, suas considerações sobre a personalidade do presidente Bolsonaro foram, sob vários aspectos assertivas, na minha opinião. Devo acrescentar que sou psicóloga e estudiosa da psicanálise.
    No tocante à sua convocação para que os psicanalistas se manifestem, quero informá-lo que já temos pelo menos três manifestações de profissionais, todos brilhantes nesta área.
    Envio o link da matéria postada pela Revista Época, em que se constam seus pareceres, para que o senhor e demais interessados possam tomar conhecimento. Abraços e boa leitura!

    6

    1

  • Um quadro preocupante está se revelando.
    Antes eram os comunistas e comunista passou a designar todos que não apoiam incondicionalmente a Direita Conservadora. Depois os jornalistas, veículos de comunicação, universidades e seus professores. Agora temos os xiitas ambientais e os brasileiros “não brasileiros”.
    Aos partidos políticos e governos inimigos, somam-se as ONGs internacionais e nacionais.
    Certamente outros inimigos vão se revelar.

    0

    0

  • Um quadro preocupante está se revelando.
    Antes eram os comunistas e comunista passou a designar todos que não apoiam incondicionalmente a Direita Conservadora. Depois os jornalistas, veículos de comunicação, universidades e seus professores. Agora temos os xiitas ambientais e os brasileiros “não brasileiros”.
    Aos partidos políticos e governos inimigos, somam-se as ONGs internacionais e nacionais.
    Certamente outros inimigos vão se revelar.

    0

    0

  • Isto não é um perfil psicológico, é uma caricatura mal desenhada a ser utilizada como propaganda político-ideológica. Não se mergulha na personalidade de alguém através de recortes de jornais ou de narrativas generalistas, apenas se cria espantalhos e Bolsonaro não é um espantalho, é um Homem que conseguiu se mostrar para seus eleitores em meio a uma enxurrada de desinformação. Enquanto não olharem para o homem real continuarão descrevendo um espantalho e produzindo textos vazios para alimentar uma bolha, sem convencer ninguém.

    0

    3

  • Não precisa ser um psiquiatra pra ter noção desse presidente SEM NOÇÃO!!!
    Basta ser um brasileiro preocupado com o destino do nosso país! Infelizmente o piloto desse avião sumiu!!! Sumiu da suas responsabilidades intelectuais!

    3

    0

  • Qualquer um em sã consciência pode ver que ele é movido pelo ódio,em busca de vingança por algo que nem ele sabe oque é por isso atira para todos os lados sem rumo …o importante é atirar e acabar de vez com esse mundo de imundícies ….quem dirá a ele que precisa se tratar …..tá nem aí com a natureza já vimos que se a temperatura continuar subindo desse jeito daqui trinta anos será impossível a vida na terra …trinta anos então já está aí bem na nossa frente e ao invés de ele criar meios que protejam e reconstitui a natureza,vai e acaba com o ministério do meio ambiente juntando o com o da agricultura …ele está cego …com certeza nossos filhos chorarão a morte cruel e nossos netos também…se sobreviverem a guerras que poderá desencadear….

    1

    0

  • Artigo ridículo. Possuo PhD e tenho pós doutorado. Sou especialista em psicanálise clínica. Tenho livros publicados e nunca li tanta idiotice.

    0

    0

  • Caro amigo, eu chamo a atenção também para os profissionais da área de psi para a existência de uma pessoa da área jurídica brasileira que tem sido considerada muito importante e amada mas que tem traços muito fortes de transtorno anti social (sociopatia). Mesmo eu que sou leigo percebo claramente isso, eu até já tentei conversar com um profissional renomado sobre isso no Facebook mas não obtive respostas. Claro!
    Bom, por favor, não me peçam nomes.

    0

    0

Deixe uma resposta