Um esquema de poder que reúne as instituições contra os cidadãos

Não sei até que ponto a sociedade brasileira terá percebido que dificilmente acabará bem a combinação num mesmo esquema de poder de figuras como Wilson Witzel, governador do Rio, Sérgio Moro, ministro da Justiça, e Marcelo Bretas, juiz federal, todos eles sob as asas de Jair Bolsonaro e famiglia, estes sócios na Presidência da República. Trata-se de excesso de extravagância política e de ameaça aos direitos civis dos brasileiros por parte de uma elite que nutre total indiferença aos direitos sociais cuja destruição encontra-se na pauta deste Governo, notadamente na chamada “reforma” da Previdência ou da Seguridade Social.

Essas figuras sombrias, na medida em que consideram as últimas eleições um mandato definitivo para o exercício do poder absoluto, acabarão levando o país a uma carnificina, mais grave do que o acontecido agora no Rio no destile do trio elétrico de Ludmila. Os policiais devem se tornar 007s, aqueles agentes com licença para matar. A lei de Moro inclui entre as situações que justificam “abater” o suposto bandido o medo dele, algo absolutamente subjetivo, portanto impossível de avaliar em termos concretos se houve ou não excesso do atirador. É um risco individual que facilmente se torna um risco coletivo.

A possibilidade muito real de um conluio no nível das três principais instituições da República – Executivo, Legislativo e Judiciário – para desfigurar os direitos civis em nome do combate à insegurança nos coloca à beira de um precipício, um AI5 civil. Nem todo problema de segurança tem raízes sociais, mas o que tem raízes sociais jamais será resolvido permanentemente na base da violência e da matança policial. Concordo que, nas atuais circunstâncias, não há solução definitiva de curto prazo para o problema. Para isso há cadeias.

Mas alguma coisa, desde já, deve ser feita com vista ao médio e longo prazo.

Este governo imoral que vocifera tanto no sentido de falar em matar bandidos não tomou uma única iniciativa concreta, desde Temer, para combater o desemprego, principal causa da insegurança. Ao contrário, promove objetivamente a insegurança ao deixar 13 milhões de trabalhadores sem emprego e sem alternativas, e outro tanto no subemprego. Claro, a maioria deles, por razões morais, vai se virar na vida fora da marginalidade. Uns poucos, em termos percentuais, vendo-se sem outra opção, vão para a marginalidade e o crime. São suficientes para espalhar a insegurança no país, sobretudo em nossas metrópoles.

Se o Exército brasileiro não sabia disso, passou a saber quando da intervenção federal no Rio no ano passado. O interventor, general Walter Braga, pediu R$ 3,2 bilhões para complementar, no plano social, iniciativas estritamente de segurança. Teve ajuda, sim, para comprar carros e logística, porém longe dos recursos necessários para levar promoção social às periferias. A intervenção foi um retumbante fracasso. De forma alguma viabilizou o aumento de segurança no Rio. E poderia ter servido para ensinar a Witzel, Moro, Bretas e Bolsonaro que não há como fazer da matança de bandidos um meio de tornar o país mais seguro.

A proliferação de criminalidade numa cadeia que começa na infância, progride na adolescência e se completa na maioridade nunca será quebrada fora de programas sociais consistentes. E não adianta tentar resolver simplesmente aumentando o número de presídios.

O senador Roberto Requião, quando governador do Paraná, construiu 12 presídios no Estado. Em pouco tempo estavam superlotados. A razão é que o Judiciário, no seu afã de punir, manda para a cadeia presos de baixa periculosidade e que podem cumprir suas penas compensatórias fora das cadeias, fazendo da cadeia um laboratório de crimes. Pelo menos nesse caso e para crianças e adolescentes temos uma situação que se resolve não por punir mais, mas por punir menos.

O que caracteriza a real insegurança em que nos encontramos não é apenas a criminalidade aberta dos marginais, mas a criminalidade que desponta na elite política. Juntar todas as instituições do Estado de um mesmo lado contra o cidadão desarmado é um apelo à desobediência civil. É o momento de colocar em funcionamento, de novo, o Tribunal Tiradentes, que teve um papel relevante na luta contra a ditadura, para levar ao banco dos réus da opinião pública essa ditadura singular que está fechando todas as aberturas de uma panela de pressão que, sem outra saída, acabará por explodir.

Deixe uma resposta