Quem tem medo de Lula livre?

À indagação sobre se a Lava Jato corre risco devemos responder com outra indagação mais importante: não seria o Brasil que está correndo risco com a Lava Jato? A primeira já está sendo feita pelos golpistas das mais variadas estirpes e pelos conglomerados midiáticos, coerentes com o que fizeram para incensar e legitimar a prisão de Lula. As duas indagações suscitam uma terceira: por que tanta preocupação em manter Lula preso?

Esta última é pertinente, uma vez que, se Lula é o ícone maior da corrupção no país, mesmo tendo sido condenado sem provas, não devemos então nos preocupar em processar e prender também os acusados de corrupção que estão no atual governo e nas forças do Poder Legislativo que o apoiam? Deixando Lula preso, os problemas do Brasil estariam resolvidos?

Ao indagar por que tanto ódio em relação à Lula e se a pessoa apoiava o tal governo, uma interlocutora minha respondeu ser contra Jair Bolsonaro, mas desde que Lula morra na prisão. Ou seja, alguma engrenagem escangalhou no equipamento mental de muitos brasileiros diante da lógica e da eloquência dos fatos.

Voltemos então à segunda pergunta a ser dada como resposta com os ingredientes que nos interessam. O Brasil está ou não em risco diante da lista de situações a seguir? Um ex-presidente condenado sem provas; juiz e promotores em conluio criminoso contra as regras do estado democrático de direito; juiz, aliás, que se tornou ministro do governo que não seria governo se o condenado estivesse livre; ou seja, um presidente eleito graças à prisão injusta do ex-presidente – presidente que, a todo momento, se declara contra a democracia, contra seus adversários, a favor da volta da ditadura e da disseminação do ódio, defensor da população armada, sendo pai de um senador envolvido em problemas que precisa responder à Justiça.

Continuando: um ministro da economia que não consegue convencer como a economia brasileira vai se desenvolver a partir da destruição da previdência pública e como é possível crescimento sem poupança interna; um ministro da educação que é contra a educação e bate boca com internautas como se estivesse na porta de um botequim; uma ministra de “direitos humanos” que fala coisas absurdas sem pé nem cabeça; milícias digitais disseminando o ódio e a boçalidade; desemprego, que, em muitas situações, já se torna estrutural, fazendo parecer piada de mau gosto a liberação de R$ 500 do FGTS; censura a filmes nacionais; confusão na cabeça de messiânicos entre o que é ser de esquerda, direita, nazista, centro, petista, vermelho, índio, crítico, estudante; enfim, a lista é infindável de uma República em estado total de vexame nacional e internacional.

Conclusão: a Lava Jato não está pondo em risco, mas sim aprofundando mais ainda o risco iniciado com o que ficou conhecido como mensalão em 2005, tendo naquele momento como marco emblemático a descoberta do pré-sal. De lá para cá, começou o processo de quebra das engrenagens do equipamento mental de muitos brasileiros, com a criminalização da política e a ideia de que o Brasil é dividido em corruptos e não corruptos.

Na geopolítica dos interesses em torno do pré-sal, algo que começou com interesses legítimos em 2013 (reivindicações pelo passe livre) transformou-se num processo errático de manifestações sem sentido contra o governo, num encadeamento com a urdida da Lava-Jato, em 2014, cambulhada preparatória do golpe que derrubou Dilma Rousseff em 2016.

A derrubada da Dilma, de forma descarada, por um Congresso delirante e patético, para não dizer de baixíssimo nível, transformou-se na Caixa de Pandora, de onde saiu Michel Temer, Jair Bolsonaro e os jovens afoitos da República de Curitiba, que já vinham contando com amplo apoio amealhado pelo marketing golpista. Hoje, o Brasil é este navio à deriva sem saber para aonde vai, adernando aqui e ali, com risco de naufrágio sem precedentes.

O salve-se quem puder está escondido nas mentiras “técnicas” da destruição da previdência pública, da ciência e tecnologia, da entrega dos recursos estratégicos e da privatização de praticamente tudo. Mesmo com todos os erros dos governos do PT, dá para entender o medo histérico de muitos em relação à liberdade de Lula. Se preso, o ex-presidente vem peitando os mentirosos e os golpistas, o que dirá solto?

2 Comentários

  • “Peitando golpistas e mentirosos”?? Essa foi demais. Lula tem que continuar preso, porque solto, terminaria o que ele e os seus asseclas começaram, que foi deixar o país nessa crise imensa!!

    1

    1

Deixe uma resposta