RICARDO CAPPELLI: Janot, o “Serial Killer Morto-Vivo”

As revelações do ex-procurador geral da República demonstram como o destino do Brasil esteve nas mãos de pessoas despreparadas, desqualificadas, desequilibradas e absolutamente irresponsáveis.

Janot é uma espécie de “serial killer”.

Assassinou a democracia sendo cúmplice de um golpe, assassinou reputações sendo marionete conivente dos tresloucados de Curitiba, assassinou nosso desenvolvimento destruindo setores estratégicos da economia nacional e assassinou nossa soberania assinando acordos e repassando informações para estrangeiros agirem contra interesses nacionais.

Agora, o “Charles Manson” brasileiro revelou que, como “grand finale”, pretendia assassinar o ministro Gilmar Mendes e, em seguida, cometer suicídio.

Janot jamais faria isso. Falta-lhe a coragem necessária para um ato tão ousado. Não satisfeito com suas lambanças, resolveu agora cometer suicídio e continuar vivo, arrastando para a cova a reputação do Ministério Público Federal.

As instituições precisam ter meios que protejam suas fundamentais missões institucionais de aventureiros. Como um técnico medíocre e desequilibrado foi parar num posto de tamanha relevância?

No momento em que o STF decide, finalmente, recolocar a Constituição no centro do jogo, a patética confissão do morto-vivo deve ser objeto de profunda reflexão.

Por Ricardo Cappelli

1 Comentário

  • O ex-Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, confessou, e consta, inclusive, do seu livro que ainda vai ser publicado, que entrou armado com uma pistola em uma Seção do Supremo Tribunal Federal, da qual participaria, para matar o Ministro Gilmar Mendes, e, em seguida, suicidar-se. Isso é gravíssimo! Rodrigo Janot confessou uma tentativa de homicídio, que aconteceria na covardia, e no ambiente de trabalho, no STF. Diz, inclusive, que passou mal, e pediu ao Sub-Procurador para participar da Seção no seu lugar. Isso não pode passar em branco, precisa ser investigado, apurado, e punir Janot, exemplarmente, na forma da Lei, por tentativa de homicídio para que caso como esse não se repita.

    0

    0

Deixe uma resposta