Senta a Pua! Ou por uma Frente Nacional Antifascista autenticamente brasileira

Breves notas contra o entreguismo histórico e cultural.

Demorou, mas chegou. O telequete entre Bolsonaro e as massas já não é mais uma questão de “se”, mas de “quando”, parafraseando o deputado que adora pendurar os dentes em uma tradição kukluxaniana.

Parece ser esse também o “ato falho” do recente artigo do General Mourão[1]. Diz, num primeiro momento, que a luta antirracial americana não  teria espaço no Brasil, “mais tolerante” com sua gente. Nesse sentido, seria um “equívoco” exportar rebeliões e insatisfações alheias, assim como símbolos advindos de lutas contra o “extremismo” que assolou a Europa – leia-se: da Segunda Guerra Mundial. Para construir sua argumentação recorre à citação de um presidente norte-americano (!).  Quer evitar o pensamento teleguiado com uma visão de mundo teleguiada. O neocolonialismo, assim como o vírus, não tem lado: atinge a esquerda e a direita do espectro brasileiro.

No entanto, o vice-presidente pisa na memória de luta do povo brasileiro, e em especial, da Força Expedicionária Brasileira e da Força Aérea. Ora, se o extremismo não havia atingido o país – se esquece dos navios afundados em Natal por submarinos alemães – o que então foram os praças se meter em uma luta que era “exclusivamente européia”?

Senta a Pua! Ou por uma Frente Nacional Antifascista autenticamente brasileira

O vice-presidente pratica, ou por ignorância ou por total insensatez, o silenciamento de compatriotas na Segunda Guerra Mundial. Para defender correligionários do presidente, que hoje ateam bandeiras ucranianas neonazistas que “ontem” lutaram contra os praças e os Aliados,  se esquece da história de luta militar antifascista, que deveria ser lembrada por todos os brasileiros.

Concordo com o vice-presidente em um aspecto. De fato, não precisamos dos símbolos antifascistas alheios. Já temos os nossos. Temos a honra de lembrar a história daqueles que destruíram o fascismo, anos depois foram destituidos pelo Ato Institucional número 1 em 1964, como o Brigadeiro Rui Moreira Lima,  um dos maiores lutadores da Força Aérea Brasileira.

Para derrotar os ucranianos neocolonizados, que resgatemos a história de luta dos próprios militares e coloquemos os seus símbolos na rua, em nosso favor. Lembremos a eles que em solo brasileiro, que a “cobra fuma”  e a gente Senta a Pua contra essa gente.

Não devemos aceitar o entreguismo cultural. É a pedagogia de maior desonra para uma nação antifascista como a brasileira.

[1] https://opiniao.estadao.com.br/noticias/espaco-aberto,opiniao-e-principios,70003322799

1 Comentário

  • Impeachment? As diferenças do vice são apenas cosméticas. É verdade , não precisamos importar injustiças para a nossa rebelião. Precisamos sim de mais concientização e menos submissão.

    0

    0

Deixe uma resposta